15°/ 28°
Belo Horizonte,
23/OUT/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Juízes alegam falta de controle e usam fiança

Agência Estado

Publicação: 21/04/2014 07:49 Atualização:

São Paulo, 21 - A falta de tornozeleiras, segundo advogados, é tão grave que os juízes acabam por inverter o sentido da Lei das Medidas Cautelares. Criada para manter mais gente em liberdade aguardando julgamento, ela está sendo usada apenas nos casos em que os presos ganhariam a liberdade de qualquer forma. Assim, as medidas cautelares, como comparecimento periódico em juízo, viraram um ônus a mais para quem já sairia da cadeia.

Aos que continuam presos, os juízes negam o pedido de relaxamento de prisão sabendo que o sistema não pode garantir que as medidas sejam seguidas. Foi o que aconteceu com sete presos em flagrante por tráfico de drogas acompanhados pela Defensoria Pública.

“Recebemos a decisão de um juiz em Suzano, que indeferiu a liberdade provisória. Ele já alega de antemão a falta de tornozeleira ou qualquer outro meio fiscalizador”, diz o defensor Bruno Shimizu, do núcleo de Situação Carcerária da Defensoria.

“As cautelares, para que tenham efetividade, precisam de intensa fiscalização do Poder Judiciário, o que, por ora, não se apresenta como medida viável”, disse o magistrado Fernando Conceição, na decisão. A constatação do magistrado é generalizada no Judiciário. “Estamos percebendo uma reclamação muito grande dos juízes pela aplicação de medidas alternativas e sua fiscalização”, observa o presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, João Ricardo dos Santos Costa.

Com a falta de monitoramento, os juízes decidem usar a fiança para permitir que o preso responda o processo em liberdade. Segundo o Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD), mesmo as fianças têm mantido os presos na cadeia porque eles não têm dinheiro. Ao todo, 9% dos detentos entrevistados pelo IDDD não têm renda, e 75% ganham até 3 salários mínimos. “Nossa experiência é que, na maioria, os presos em flagrante são usuários de drogas e moradores de rua, sem renda”, diz o presidente do IDDD, Augusto de Arruda Botelho. As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Alziro Ribeiro da Silva
É até um pouco engraçado ver o que acontecem com os nossos presidiários, criaram salários para multidões deles e entretanto não há verbas para a compras de tornozeleiras e poder controlarem presos em liberdades provi´sorias. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.