PM da Bahia aceita proposta do governo e encerra greve

Horas antes, Justiça Federal havia determinado fim imediato da paralisação, sob pena de pagamento de multa diária de R$ 1,4 milhão

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 17/04/2014 14:53 / atualizado em 17/04/2014 15:15

Agência Estado

Policiais militares da Bahia decidiram aceitar proposta do governo apresentada pela manhã e encerrar a greve iniciada nessa terça-feira. A categoria estava reunida na tarde desta quinta-feira.

A proposta foi levada aos grevistas pelo principal líder do movimento, o policial bombeiro, Marco Prisco, e os pontos foram discutidos com a intermediação do arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, D. Murilo Krieger. Horas antes, a Justiça Federal havia determinado o fim imediato da paralisação, sob pena de pagamento de multa diária de R$ 1,4 milhão, a pedido do Ministério Público Federal (MPF).

A Justiça determinou ainda o bloqueio de bens de Marco Prisco e das seis associações representativas da corporação, envolvidas na paralisação, e de seus dirigentes. O bloqueio dos bens visa garantir o ressarcimento dos prejuízos causados aos cofres públicos, a exemplo do envio da Força Nacional de Segurança Pública para o Estado.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública da Bahia, Salvador e a Região Metropolitana registraram a ocorrência de 39 homicídios de terça a quinta-feira. A região registra, em média, 10 homicídios a cada dois dias. Segundo a secretaria, entre os mortos estão dois policiais assassinados nos bairros de Boa Visto do Lobato e Pau da Lima, na periferia da capital.

Um dia após o início da greve, agentes da Força Nacional de Segurança desembarcaram em Salvador para fazer o policiamento nas principais cidades da Bahia. A presidente Dilma Rousseff assinou o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), autorizando o emprego das Forças Armadas na segurança pública, a pedido do governador Jaques Wagner (PT).
Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.