Burocracia emperra pesquisa de remédios no Brasil

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 09/04/2014 20:31

Agência Estado

São Paulo, 09 - A demora na aprovação de pesquisas clínicas por órgãos federais fez o Brasil deixar de participar de 112 estudos de novos medicamentos, segundo levantamento divulgado nesta quarta-feira, 9, durante o lançamento da Aliança Pesquisa Clínica Brasil, associação que reúne médicos, pacientes e indústria, criada para fomentar a pesquisa no Brasil e pressionar o governo para aprimorar a legislação e os procedimentos relacionados ao tema.

De acordo com a entidade, o prazo médio para a aprovação de um estudo de uma nova droga é de cerca de um ano no País, contra 60 dias, em média, em locais como os Estados Unidos. Para que uma pesquisa aconteça no Brasil, ela deve ser aprovada pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

"Pelo tamanho da população e da economia, o Brasil costuma ser convidado para fazer parte dos grandes estudos, mas como a pesquisa tem de ser realizada ao mesmo tempo nos vários países participantes, nós acabamos perdendo o prazo pela demora dos órgãos reguladores e a nossa participação é cancelada", afirmou Vitor Harada, membro do comitê gestor da Aliança. A Anvisa afirma que, em recente audiência realizada no Senado, se comprometeu a apresentar proposta que possa melhorar os prazos atuais. A Conep não respondeu.
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.