20°/ 27°
Belo Horizonte,
21/OUT/2014
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

STJ mantém decisão que condenou pai a pagar indenização por abandono afetivo Ministros entenderam que mesmo com comportamento agressivo da mãe, era dever do pai de se fazer presente no crescimento da filha

Agência Brasil

Publicação: 09/04/2014 17:55 Atualização: 09/04/2014 18:03

Os ministros da Segunda Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) mantiveram nesta quarta-feira (9) decisão que condenou um pai a pagar indenização de R$ 200 mil por abandono material e afetivo à filha, por ausência durante a infância e adolescência.

A maioria dos ministros seguiu voto do relator do processo, ministro Marco Aurélio Buzzi. Segundo o ministro, no caso específico, o pai tinha o dever legal de cuidar da filha. A defesa alegou na Justiça que o distanciamento ocorreu devido ao comportamento agressivo da mãe. Para o ministro, no entanto, a conduta materna não justifica a ausência do pai.

O caso teve o primeiro pronunciamento no STJ em 2012, quando a Terceira Turma apontou para um reconhecimento inédito de responsabilidade por abandono afetivo pelos pais. A ação começou a tramitar na primeira instância e foi julgada improcedente. O caso foi levado ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), que reformou a sentença. Em apelação, o TJSP argumentou que o pai era “abastado e próspero”, reconheceu o abandono afetivo e fixou compensação por danos morais em R$ 415 mil.

No STJ, o pai alegou violação a diversos dispositivos do Código Civil e divergência em relação a outras decisões do tribunal. Ele disse ainda que não abandonou a filha e que a única punição possível pela falta em suas obrigações paternas seria a perda do poder familiar. Na ocasião, a Terceira Turma do STJ considerou o valor fixado pelo TJSP elevado e reduziu a compensação para R$ 200 mil. Esse valor deve ser atualizado a partir de 26 de novembro de 2008, data da condenação pelo tribunal paulista.
Tags:

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: SERGIO DOURADO
Pra esse pai omisso a perda do poder familiar seria é um prêmio pra quem já n quer reconhecer a filha! Tem q pagar sim,é só desse jeito q aprendem q deram prejuízo pra alguém:só q esses prejuízos talvez nunca possam ser refeitos,ao contrário da conta bancária dele q já é gorda.. | Denuncie |

Autor: SERGIO DOURADO
E qdo o filho vive c o pai mas o pai mesmo n o reconhece como filho,n o trta como filho,sendo q esse filho foi tratado pelos ditos "avós" (q esse filho n sabia q eram realmente seus avós...),nesse caso específico? Esperma até um porco tem e cuida melhor dos seus filhotes q esses "pais" ... | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.