Sabesp admite possibilidade de racionamento em SP

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 09/04/2014 11:19

Agência Estado

São Paulo, 09 - Pela primeira vez desde o início da crise hídrica, a companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) admitiu formalmente a possibilidade de adotar um racionamento de água na capital paulista e região metropolitana ainda em 2014. "Se as chuvas não retornarem a índices adequados e, consequentemente, os níveis dos reservatórios não forem restabelecidos, poderemos ser obrigados a tomar medidas mais drásticas, como o rodízio de água", afirma a concessionária em seu relatório de sustentabilidade referente ao ano de 2013, publicado ontem a noite no site da companhia.

A escassez inesperada durante o último verão fez com que o nível dos reservatórios do sistema Cantareira batesse sucessivos recordes negativos de capacidade. Hoje, o volume de água das reservas voltou a apresentar queda, de 0,2 pontos porcentuais, para 12,5%, pior marca desde o início das operações do Cantareira, em 1974. Desde dezembro, o índice do sistema já baixou 19,2 pontos porcentuais.

No relatório, a Sabesp também considera os efeitos financeiros da atual crise. A concessionária estima uma redução no volume de água faturado no ano e um acréscimo dos custos operacionais, em função dos investimentos adicionais necessários para mitigar os efeitos da seca nos sistemas produtores de água. Entre as medidas emergenciais adotadas pela Sabesp para manter o abastecimento de água na Grande São Paulo, destacam-se o investimento de R$ 80 milhões para captação do volume morto do Cantareira e o programa de bônus para incentivar a redução do consumo.

Ainda de acordo com a concessionária, cujo acionista majoritário é o governo de São Paulo, embora seja esperada uma queda no faturamento em 2014, não é possível estimar com precisão qual será o impacto do programa de descontos na sua receita. "Assim como também não podemos assegurar que uma eventual estiagem contínua no futuro não venha a provocar um efeito material e adverso em nosso sistema de abastecimento de água e, consequentemente, nos nossos negócios e resultados", afirmou a Sabesp.
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.