17°/ 30°
Belo Horizonte,
31/OUT/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Falta d’água atinge região abastecida pelo Guarapiranga

Agência Estado

Publicação: 09/04/2014 08:19 Atualização:

São Paulo, 09 - Antes restrito aos bairros atendidos pelo Sistema Cantareira, que sofre a pior crise de estiagem da história, o problema de falta d’água chegou a imóveis que são abastecidos pela Represa do Guarapiranga, na zona sul da capital paulista. É o caso da residência da assistente administrativa Selma Ferreira, de 46 anos, que mora na Vila Inglesa, no distrito de Cidade Ademar.

“Começou a faltar água na madrugada de domingo para segunda-feira e até hoje (ontem à tarde) não chegou. São mais de 36 horas. Estou com minha casa em obras e fui pega de surpresa. Se ao menos avisassem que ia faltar água a gente tinha se programado”, disse Selma.

Ela foi buscar cerca de 150 litros de água na casa da irmã, em outro bairro da zona sul, para não paralisar a reforma. “A gente imaginava que pudesse falta água, mas não tão rápido. Aqui é Guarapiranga, nem é Cantareira”, afirmou Selma, cujo drama é dividido com outros moradores da região.

Desde o início do ano, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) remaneja água do Guarapiranga para cerca de 400 mil imóveis que eram abastecidos pelo Cantareira. A medida tem como objetivo poupar ao máximo o principal manancial paulista, que ontem estava com 12,7% da capacidade, nível mais baixo da história. O Guarapiranga, por sua vez, tinha 77,6% de volume armazenado.

Na região central da capital, moradores e comerciantes da Praça Roosevelt também relataram falta d’água no período da noite em seus imóveis. A queixa é semelhante a de moradores da zona norte no início da crise hídrica do Cantareira. Segundo a Sabesp, a interrupção de fornecimento de água pode estar ligada às características das regiões, como crescimento desordenado ou bairros altos, e com obras de manutenção na rede de distribuição.

A companhia afirma que não há racionamento de água em nenhuma das cidades da Grande São Paulo abastecidas diretamente pela empresa.

Segundo a Sabesp, existem cerca de 56 mil quilômetros de redes de água na Região Metropolitana e a cada oito meses a empresa percorre essa distância na caça a vazamentos. Ao todo, a empresa diz investir R$ 2,1 bilhões em abastecimento de água na Grande São Paulo entre 2014 e 2016.

Segundo projeção feita pela própria Sabesp, o volume útil do Cantareira, que é a água represa acima do nível dos túneis, deve se esgotar entre junho e julho, em plena Copa do Mundo. A partir de então, a empresa passará a usar o chamado “volume morto” do manancial, cerca de 200 bilhões de litros que ficam no fundo dos reservatórios. Pela previsão da companhia, o volume é suficiente para abastecer a Grande São Paulo por quatro meses. As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Geraldo Nascimento
A academia vem alertando para situações semelhantes a essa há mais de dez anos, todavia, os políticos brasileiros sempre fizeram ouvidos moucos à fala da academia, agora é pagar o preço. Em Belo Horizonte a situação não é muito diferente, e, posições devem ser tomadas já. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.