17°/ 29°
Belo Horizonte,
25/OUT/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Missa feita para Anchieta atrai mais de 2 mil fiéis

Agência Estado

Publicação: 06/04/2014 18:49 Atualização:

São Paulo, 06 - A primeira missa em homenagem a São José de Anchieta realizada neste domingo, 6, em São Paulo, foi uma celebração solene que durou quase três horas e reuniu cerca de 2.500 fiéis na Catedral da Sé, onde o cardeal-arcebispo, d. Odilo Scherer, presidiu uma cerimônia com textos em português, latim e tupi-guarani, os idiomas que o missionário jesuíta, canonizado dia 3 pelo papa Francisco, utilizou para evangelizar os índios.

O cardeal d. Cláudio Hummes, prefeito emérito da Congregação para o Clero, os bispos auxiliares da arquidiocese e numerosos sacerdotes da Companhia de Jesus participaram da solenidade. Entre as autoridades civis, compareceram o governador Geraldo Alckmin, o prefeito Fernando Haddad, o presidente do Tribunal de Justiça do Estado, José Renato Nalini, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), o deputado Gabriel Chalita (PMDB-SP) e a reitora da PUC-SP, Ana Maria Marques Cintra.

No início da missa, Alckmin e Haddad, que ocupavam o primeiro banco da igreja acompanhados de suas mulheres, foram chamados ao altar, depois de uma preleção de d. Odilo, para falar sobre Anchieta. Os dois ressaltaram a importância do novo santo, um dos fundadores da cidade São Paulo, na história do Brasil. Referindo-se ao fato de o jesuíta ter sido canonizado sem a exigência de um milagre, Haddad recordou uma frase que ouviu de sua mãe, quando era criança. "Não sou cristã pelos milagres de Cristo, mas pelos valores que representa", dizia ela. O arcebispo, o governador e o prefeito agradeceram ao papa Francisco pela canonização do Apóstolo do Brasil. O tenor Agnaldo Rayol cantou, em seguida, a Ave Maria de Gounod, em latim.

A celebração começou às 10 horas com uma aglomeração no Pátio do Colégio, de onde cerca de 500 devotos saíram em procissão para a Catedral da Sé, após uma dramatização apresentada num palanque por um grupo de atores do Schalom, movimento apostólico de leigos. Vestidos de malhas brancas e usando cocares, rapazes e moças encenaram a catequização dos índios por Anchieta. Alunos dos colégios São Luís e São Francisco Xavier, da capital, além de representantes de instituições de jesuítas em Campinas, Indaiatuba e São Bernardo do Campo, levantavam cartazes na praça. O mestre de cerimônia foi o diretor do Colégio São Luís, padre Eduardo Henriques.

Compareceu também uma delegação dos Centros Canários de Brasil, associação de imigrantes e suas famílias vindos das Ilhas Canárias, da Espanha, onde Anchieta nasceu em 1534. "Apoiamos várias iniciativas ligadas ao novo santo, entre elas a construção da Praça Ilhas Canárias, que fica atrás da igreja do Pátio do Colégio", disse o presidente da entidade, Andrés Betancor, que vive desde 1973 no Brasil. Foram esses imigrantes também que construíram a Passarela da Cama de Anchieta, em Intanhaém, entre as pedras a beira mar do litoral paulista.

Quatro alunos do Colégio São Luiz carregaram um andor com o relicário do fêmur de Anchieta, do Pátio do Colégio até a Catedral. Na Praça da Sé, a procissão fez uma parada junto ao monumento do santo jesuíta, onde d. Odilo se juntou aos fiéis.

Normalmente rodeado de moradores de ruas, mendigos e prostitutas, o monumento estava vazio, sob a guarda de um carro da Polícia Militar, à distância. Não havia também pregadores evangélicos que, de Bíblia em punho, gritam o nome de Jesus para crentes e curiosos.

"Passou um rapa da Prefeitura por aqui e levou tudo, até minha comida e meus documentos", queixou-se o maranhense Francisco de Jesus Alves, de 52 anos. Desempregado depois de ter trabalhado na construção civil na cidade, ele e dois amigos estavam sentados no chão, vendo a procissão passar. "Esse pessoal aí não dá nada pra gente comer", observou seu amigo Edson de Lima Santos, de Arujá.

Na escadaria da Catedral, o movimento Mães da Sé expunha cerca de 120 fotos de desaparecidos, pedindo ajuda e informações para localizá-los. "Não é desaparecido político, são pessoas que sumiram nos últimos anos", disse a presidente da entidade, Ivanise Espiridião da Silva. Segundo ela, já foram localizadas quatro mil desaparecidos - 250 tinham morrido - desde a fundação do movimento, em 1996. A procissão de Anchieta passou ao lado, sem tempo para ver os cartazes.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.