14°/ 31°
Belo Horizonte,
02/SET/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Imprensa internacional foi mais crítica ao Brasil em 2013

Agência Estado

Publicação: 26/03/2014 08:43 Atualização: 26/03/2014 08:46

A imprensa internacional ficou mais crítica com o Brasil no ano passado. O levantamento Boletim Brasil - elaborado pela agência de comunicação Imagem Corporativa - mostrou que o porcentual de reportagens negativas com relação ao País subiu para 35,22%, do total de 23,78% registrados em 2012.

O estudo também mostrou que a imprensa falou menos sobre o Brasil. O número de textos foi de 4.332, abaixo das 5.109 publicadas em 2012. O mau humor da imprensa acompanhou o crescente pessimismo do mercado com a economia brasileira e com o mercado financeiro ao longo do ano passado. No período mais agudo das manifestações de rua, por exemplo, os níveis de confiança de diversos setores e dos consumidores voltaram para o nível de 2009, quando o mundo estava enfrentando o auge da crise financeira.

“Esse resultado reflete uma leitura mais pessimista da imprensa internacional sobre a desaceleração econômica e traz algumas referências mais negativas em termos de fundamentos econômicos, além da questão das manifestações”, afirmou Ciro Dias Reis, presidente da Imagem Corporativa. “O número de matérias positivas ainda é maior, mas, diante dos últimos acontecimentos, existe uma tendência de a imprensa internacional se manter num nível mais cauteloso na comparação com uma euforia do passado.” Em 2010, o porcentual de reportagens positivas chegou a 81%.

O Boletim Brasil é elaborado desde 2009, e analisa 15 veículos internacionais, entre eles China Daily (China), El País (Espanha), Financial Times e The Economist (Reino Unido), The New York Times e Washington Post (Estados Unidos).

No ano passado, segundo a publicação, houve uma piora da análise da imprensa internacional sobretudo depois das manifestações de junho. No terceiro trimestre, o porcentual de textos negativos foi de 42%, justamente no período em que houve uma violência maior dos protestos. “As manifestações serviram como um canal de expressão de uma série de reivindicações. E são questões não plenamente resolvidas, como educação e saúde. Houve uma concentração de temas num momento específico. A partir desse momento a curva de coberturas mais negativas se acentuou”, afirmou Reis.

Num recorte detalhado por tema de cobertura, a desconfiança da mídia internacional também ficou evidente. A categoria de notícias que mais teve crescimento foi a de Vulnerabilidade, que trata das deficiências do Brasil. Em 2013, foram 944 reportagens uma quantidade bem acima da verificada no ano anterior, quando foram contabilizados 480 textos. Por outro lado, uma das quedas mais acentuadas, de acordo com o relatório, foi na categoria Local de Investimento, que soma as notícias sobre investimentos e potencialidade de negócios. De um ano para outro, o recuo foi de 979 para 703 em quantidade de matérias.

A categoria mais comum na mídia internacional foi a de player internacional - textos que abordam a relevância do Brasil no cenário mundial. Ao todo, foram 1.235 artigos.

Por veículos, o chileno El Mercúrio foi o que mais publicou reportagens sobre o Brasil no ano passado. O jornal publicou 986 notícias sobre o País. Apesar da liderança, a quantidade de matérias sobre o Brasil foi maior em 2012, quando foram publicados 1.321 artigos.

“O Chile - até de uma maneira discreta - tem aumentando os investimentos no Brasil. A cobertura sobre o País tem se intensificado por vários motivos. Recentemente, o Itaú comprou ativos no Chile e grandes empresas chilenas estão se tornando mais presentes aqui”, disse o presidente da Imagem Corporativa.

A segunda posição foi ocupada pelo Clarín (524). Na sequência, apareceram o Financial Times (497), o The Wall Street Journal (421), e o Le Monde (343).

Fim do ano
Levando-se em conta o apenas quarto trimestre de 2013, o estudo apurou que foram publicadas 995 reportagens sobre o Brasil, uma queda de 9,62% na comparação com os três meses anteriores. Foi o resultado mais baixo desde o terceiro trimestre de 2009 (783 textos).

Nesse período, o assunto que mais repercutiu na imprensa internacional foi a revelação da espionagem dos Estados Unidos ao Brasil e a reação da presidente Dilma Rousseff. Foram 79 reportagens, sendo 46 negativas. A Copa do Mundo foi o segundo assunto mais comum entre os jornais estrangeiros, com 52 reportagens - 25 negativas.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.