Forças federais vão ocupar Complexo da Maré por prazo 'necessário', diz Cardozo

Tropas entrarão no lugar do Bope, que atualmente controla a segurança de complexo de favelas de 140 mil habitantes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 24/03/2014 13:19 / atualizado em 24/03/2014 14:30

Estado de Minas

CHRISTOPHE SIMON/AFP

O governador Sérgio Cabral anunciou nesta segunda-feira, 24, que forças federais ocuparão o Complexo da Maré, na zona norte. Ele solicitou à presidente Dilma Rousseff o emprego de Garantia de Lei e da Ordem (GLO), operação militar em área previamente estabelecida e com prazo limitado. "É um passo decisivo para política de avanço da segurança pública. É uma área estratégica do Rio de Janeiro, do ponto de vista de ir e vir, porque lá passam as linhas Vermelha e Amarela, a Avenida Brasil, está próxima do aeroporto internacional", afirmou o governador.

Cabral esteve reunido no Centro Integrado de Comando e Controle, no centro do Rio, com o ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, o chefe do Estado-Maior conjunto das Forças Armadas, general de Exército, José Carlos de Nardi e a secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki, além de representantes das Polícias Civil, Militar, Federal, Rodoviária Federal. Os detalhes da GLO ainda estão sendo acordados. O ministro da Justiça não confirmou número do efetivo e detalhes da operação, mas afirmou que as tropas estarão disponíveis pelo "prazo necessário".

Cabral pediu que as Forças Armadas assumissem o Complexo de Favelas da Maré, localizada na zona norte da capital fluminense, onde a população passa dos 140 mil habitantes e onde o Batalhão de Operações Especiais (Bope) já está presente, desde a semana passada, quando houve ataques de bandidos às Unidades de Polícia Pacificadoras (UPP). O Exército, principalmente, substituiria os homens do Bope. A região foi escolhida pela posição estratégica, uma vez que a favela fica na área das vias de entrada e saída da capital, cortando, a Avenida Brasil, além das Linhas Amarela e Vermelha, pontos cruciais de escoamento durante a Copa do Mundo.

Dificuldades

Embora as Forças Armadas já estejam preparadas e trabalhando para entrar no Rio em maio, permanecendo nas ruas até o fim de julho, compreendendo o período pré e um pós Copa, a antecipação do desembarque das tropas em mais de um mês pode ser uma dificuldade. No entanto, o fator facilitador é que, como o comando integrado de controle e apoio para a Copa já está em funcionamento no Rio, com generais participando diretamente de tudo, isto facilitará a entrada em operação dos militares. 

Tags: