Em Humaitá, 17 mil pessoas continuam desabrigadas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 20/03/2014 16:31

Agência Estado

Sorocaba, 20 - Pelo menos 17 mil pessoas continuam desabrigadas no município de Humaitá, no sul do Amazonas, desde que as águas do Rio Madeira invadiram a cidade, no início de fevereiro. As famílias estão sendo mantidas nas oito escolas da cidade que, por sua vez, estão sem funcionar. O ano letivo de 2014 não pode ser iniciado. A cidade já teve o estado de calamidade pública reconhecido pelos governos estadual e federal e recebe ajuda para fornecer alimentação e apoio aos flagelados.

Na área urbana, treze bairros e mais de trinta ruas estão cobertos pelas águas, inclusive na região central. Os prejuízos, segundo a prefeitura, passam de R$ 70 milhões. As águas cobriram longos trechos da Rodovia Transamazônica, isolando a cidade da vizinha Apuí. As ligações com Porto Velho (RO), capital mais próxima, e com Manaus, a 650 quilômetros, também estão interrompidas. Os serviços de balsa no Rio Madeira foram suspensos e todo o transporte é feito com barcos. "A cidade está parada, estamos esperando o rio baixar, mas as águas só tem subido", lamentou o prefeito José Cidenei Lobo (PMDB). Outros 14 municípios amazonenses sofrem com a cheia nos rios da região.
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.