16°/ 26°
Belo Horizonte,
22/OUT/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Prefeitura de SP dará R$ 360 milhões para monotrilhos

Agência Estado

Publicação: 15/03/2014 08:49 Atualização: 15/03/2014 09:07

A Prefeitura de São Paulo promete repassar R$ 360 milhões para a construção de dois monotrilhos, as Linhas 15-Prata, na zona leste, e a 17-Ouro, na sul. Com isso, pela primeira vez, o governo do Estado começa a falar em obras desse segundo ramal em Paraisópolis.

Atualmente, só o trecho central da Linha 17 está sendo construído, entre Aeroporto de Congonhas e a Estação Morumbi da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), na Marginal do Pinheiros. Nesse trajeto, os trabalhos começaram há dois anos. O aporte municipal permitirá o avanço do ramal para além do rio, com a criação das Estações Panamby, Paraisópolis e Américo Maurano.

Será o primeiro aporte volumoso de dinheiro da Prefeitura sob o comando de Fernando Haddad (PT) ao Metrô. Outras parcerias no setor incluem a elaboração de projetos para a extensão da Linha 5-Lilás para a região de Jardim Ângela, na zona sul, e R$ 80 milhões para as obras da Linha 4-Amarela, que neste ano completam dez anos.

"Fora o que a Prefeitura vai gastar em desapropriação para viabilizar o caminho do monotrilho até a Estação Jabaquara", disse Haddad. Cerca de 2 mil famílias em moradias irregulares serão reassentadas.

Atraso. Também nesta sexta-feira (14), o governo Alckmin anunciou que a entrega do primeiro sistema de monotrilho da capital não será em março, conforme anunciado no início do ano. Agora, a inauguração da Linha 15-Prata só deve ocorrer em maio - originalmente, seria em janeiro. E o funcionamento inicialmente será em forma de "visitas" dos passageiros aos fins de semana.

Segundo o presidente do Metrô, Luiz Antonio Carvalho Pacheco, houve atraso em relação ao cronograma e a empresa responsável pela construção dos trens, a canadense Bombardier, está sendo multada.
Tags:

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Paulo Barbosa
Pouco adiantará! Enquanto as grandes cidades brasileiras ficarem reféns das grandes e poderosas construtoras que ditam o que pode ou não ser construídos, levando ao adensamento populacional em excesso nenhuma medida de mobilidade será de longo prazo. A sociedade precisa agir contra a especulação. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.