17°/ 30°
Belo Horizonte,
31/OUT/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

São Paulo testa técnicas para limpar o Rio Pinheiros

Agência Estado

Publicação: 12/03/2014 21:37 Atualização:

São Paulo, 12 - Tecnologias de despoluição aplicadas paralelamente ao programa que busca universalizar o tratamento de esgoto no Estado podem contribuir para devolver o oxigênio ao Rio Pinheiros, em São Paulo. Essa é a conclusão de um estudo conduzido pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente. O trabalho avaliou a eficácia de algumas tecnologias replicando as condições do rio. Assim, foram criados seis canais com a água do próprio Pinheiros e o mesmo ritmo de vazão. Em cada um foi aplicada uma das técnicas por 30 dias. Em outro canal era mantida a água sem tratamento, para controle.

As coletas mostraram que, em geral, as seis tecnologias foram capazes de aumentar a presença de oxigênio ao mínimo de 2 miligramas de O2 por litro. Na situação atual o rio tem zero de oxigênio. De acordo com o secretário Bruno Covas, essa elevação, juntamente com outras melhorias observadas, colocaria o rio em “classe 4” - o que seria suficiente para ele poder desaguar nos mananciais da Billings ou da Guarapiranga sem tratamento adicional. “É claro que o maior investimento na despoluição do rio é no saneamento. E trabalhando na meta de universalizar a coleta e o tratamento até 2019. Mas o que vimos é que essas tecnologias podem ajudar”, diz Covas. “O Pinheiros deixaria a condição de rio morto para um rio poluído, mas com oxigênio, sem odor e com aspecto melhor”, complementa o secretário adjunto Rubens Rizek, que coordenou os trabalhos.

Indicadores.

Também foram avaliadas a presença de sulfetos, responsáveis pelo mau cheiro; de nitrogênio e fósforo, que podem causar a proliferação de algas; de surfactantes, responsáveis pela espuma; de sólidos suspensos e a geração de lodo. Na maioria dos casos, houve melhoria. Em um dos canais, a empresa que fazia o teste chegou a criar peixes no local, a fim de mostrar a saúde da água. A infraestrutura dos canais, construídos ao lado da Usina Elevatória de Traição, a captação da água, os estudos sobre a vazão e a fiscalização dos trabalhos ficaram a cargo de uma equipe multidisciplinar. Reuniu técnicos da Cetesb, da Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae), da Sabesp, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas, da Faculdade de Saúde Pública da USP e da Associação Águas Claras do Rio Pinheiros.

Os custos foram pagos pelas empresas participantes. Metade delas aplicou tecnologias biológicas (uso de fungos, bactérias ou enzimas) e outra metade, físico-químicas (eletrocoagulação, flotação e oxidação). Os resultados foram entregues ontem para o governador Geraldo Alckmin e para o grupo de trabalho responsável pelo Plano de Despoluição dos Rios da Região Metropolitana de São Paulo. É esse grupo que vai avaliar a viabilidade econômica das tecnologias estudadas. De acordo com Covas, o projeto só vale para o Pinheiros. O Rio Tietê não poderia se beneficiar dessas tecnologias por causa da diferença da poluição dos dois principais rios que cortam a capital. Enquanto no Pinheiros prevalece a poluição difusa (que vem dos dejetos levados pela chuva), no Tietê o maior impacto é do esgoto despejado irregularmente, que depende mais fortemente da melhora do tratamento de esgoto.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.