12°/ 23°
Belo Horizonte,
26/JUL/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Google se diz 'perplexo' com acusações feitas pelo MPF Empresa diz ter sabido apenas pela imprensa sobre denúncia por omissão e desobediência relacionado a pornografia infantil em sua rede social

Agência Estado

Publicação: 11/03/2014 18:37 Atualização: 11/03/2014 18:55

O Google Brasil se declarou "perplexo" diante das acusações de omissão e desobediência feita a dois de seus diretores pelo Ministério Público Federal (MPF). O órgão apresentou ação penal à Justiça com o argumento de que Fabiana Regina Siviero e André Zanatta Fernandes de Castro deixaram de cumprir ordens judiciais em várias ações destinadas à apuração de divulgação de pornografia infantil por usuários do Orkut, site de relacionamentos que pertence ao Google.

A denúncia foi feita no fim do mês passado, mas a empresa se manifestou somente nesta terça-feira, 11, 14 dias depois. De acordo com texto publicado pelo Google, as alegações da Procuradoria são "ultrajantes", já que nenhum de seus diretores ajudou a disseminar material contendo abuso sexual de crianças ou desobedeceu ordens judiciais. Segundo a empresa, ambos trabalharam durante anos com o MPF para combater a pornografia infantil no Brasil. "É, portanto, incompreensível que o MPF tenha feito acusações sem fundamento e que tenhamos tomado conhecimento delas por meio de um comunicado à imprensa", afirmou.

No Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado em 2008 com o MPF, a empresa se comprometeu a comunicar os casos em que o material ilícito fosse divulgado e a preservar em seus servidores os conteúdos necessários à investigação do crime por um prazo de 180 dias, prorrogáveis por igual período. Mas, de acordo com o MPF/SP, ainda que o Google tenha notificado a Justiça sobre a veiculação de tais materiais, em muitas ocasiões os denunciados não respeitaram os prazos e não forneceram as informações requisitadas posteriormente, como dados dos usuários e imagens exibidas.

O Google contesta a afirmação e afirma que "remove proativamente os tipos de imagens citadas de suas plataformas, ao mesmo tempo em que informa os casos às autoridades responsáveis. "No Brasil, fornecemos informações ao Ministério Público Federal em milhares de casos diferentes, como parte de um acordo firmado em 2008." Além disso, a empresa disse ainda que investe milhões de dólares por ano para aprimorar globalmente os esforços no combate à pornografia infantil. "Considerando todos esses esforços, esperamos que as acusações sejam rejeitadas para que nossos funcionários possam continuar a ajudar na luta contra a exploração sexual de crianças online. A Procuradoria aguarda manifestação da Justiça para se posicionar a respeito.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.