Governo dá 'falsa impressão' sobre água, acusa consórcio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 10/03/2014 16:19

Agência Estado

São Paulo, 10 - O consórcio que representa municípios e usuários de água das 73 cidades da região de Campinas (SP), onde estão os rios e represas que foram o Sistema Cantareira - maior fonte de abastecimento da Grande São Paulo -, divulgou uma nota de esclarecimento nesta segunda-feira, 10, acusando o governo do Estado e a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) de transmitirem "a falsa impressão" de que o problema da falta de água está controlado.

Os reservatórios do Cantareira, que abastecem 47% da Grande São Paulo, estão nesta segunda com 15,9% da capacidade total, segundo medição do grupo anti crise para acompanhar o problema. A carta do Consórcio das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ) é uma resposta às medidas anunciadas de redução de retirada de água do Sistema Cantareira e a transferência de outros sistemas (Alto Tietê e Guarapiranga) para suprir a demanda de 2 milhões de pessoas na Grande São Paulo. "O fato (...) levou a falsa impressão que a Região Metropolitana de São Paulo está totalmente protegida e que possui um sistema interligado, de vários reservatórios, que garante seu abastecimento em qualquer situação. Tais reservatórios existem, mas são insuficientes para garantir o abastecimento da Grande São Paulo, principalmente em período de estiagem", afirma o documento.

Para o órgão, uma prova disso foi o fato de que a Sabesp manteve a retirada de 31 mil litros de água por segundo do Cantareira para a Grande São Paulo durante os meses de dezembro, janeiro e fevereiro, nessa atípica seca de verão. "Tanto que, o sistema integrado da RMSP não é sustentável, que mesmo sabendo do risco para a vida útil do Sistema Cantareira, a RMSP permaneceu, retirando aproximadamente 31 m3/segundo, levando os reservatórios a níveis abaixo de 20%, considerados altamente críticos", informa a nota. Para o secretário-executivo do consórcio, Francisco Lahóz, a falta de planejamento e investimentos do governo em novas fontes de água para a Grande São Paulo provocaram essa crise.
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.