Rodoviários e empresas mantêm impasse no PR e greve continua

As duas categorias participaram de audiência nesta sexta e têm até as 15h deste sábado para dar uma resposta ao tribunal

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 28/02/2014 21:39

Agência Brasil

A audiência entre os rodoviários de Curitiba e as empresas, que estava marcada para o dia 6 de março, foi antecipada e teve início nesta sexta-feira, às 14h. Contudo, o impasse continuou, mesmo após cerca de quatro horas de intervalo para conciliação. Por fim, a vice-presidenta do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), a desembargadora Ana Carolina Zaina, fez uma última proposta de 9,28% de reajuste, abono de R$ 300 e reajuste de 10,5% na cesta básica para encerrar a greve, que começou na última quarta-feira (26).

As duas categorias têm até as 15h de amanhã (1º) para votar a proposta em assembleia e dar uma resposta ao tribunal. Caso uma das partes não aceite o acordo do TRT ou não responda até o prazo, o julgamento do dissídio será encaminhado para o colegiado de desembargadores.

Na audiência de ontem (27), havia sido marcado um novo encontro entre as partes no dia 6 de março. Houve, porém, um pedido de antecipação da audiência feito pela Urbanização de Curitiba (Urbs), órgão que gerencia o transporte público na capital, e pelo Sindicato das Empresas de Transporte Urbano (Setransp).

Segundo a assessoria do TRT, as entidades alegaram que a determinação de circulação de frota mínima – 50% da frota rodando em horários de pico e 30% nos demais horários – não foi cumprida e que houve casos de “ações ostensivas para impedir o funcionamento do serviço essencial”. Essas questões, no entanto, não foram abordadas na reunião desta sexta-feira, onde foram apenas retomadas as negociações de reajuste. A desembargadora do TRT também não determinou a volta imediata dos rodoviários ao trabalho, preferindo aguardar as respostas das categorias amanhã.
Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.