20°/ 31°
Belo Horizonte,
31/AGO/2014
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Inocente fica detido por quatro dias, após ser confundido com homônimo Cícero Gomes de Souza e a mulher tentaram explicar a situação aos policiais, que não lhes deram ouvidos. Episódio é semelhante ao do ator que passou 16 dias em cadeia do Rio

Kelly Almeida

Breno Fortes - Correio Brazliliense

Mara Puljiz - Correio Braziliense

Publicação: 28/02/2014 07:46 Atualização: 28/02/2014 07:59

A mãe de Cícero, Maria Rita, não se conforma com o caso: 'Sei o filho que tenho e sofro em saber o que ele passou' (Breno Fortes/CB/DA Press)
A mãe de Cícero, Maria Rita, não se conforma com o caso: "Sei o filho que tenho e sofro em saber o que ele passou"
 

Na semana em que o país se comove com a história do ator Vinícius Romão de Souza, preso durante 16 dias por engano, policiais do Distrito Federal levaram um inocente à carceragem. De segunda-feira até ontem, o pedreiro Cícero Gomes de Sousa, 27 anos, ficou em poder da Polícia Civil. Ele foi detido por força de um mandado de prisão expedido pela Justiça de Pernambuco. O problema é que os agentes não se atentaram para a informação de que Cícero tem o mesmo nome de um primo. A única diferença está na data de nascimento. Mesmo tentando contestar, ele não teve direito de explicar que os agentes procuravam pelo seu homônimo. Depois de identificar o erro, a polícia concedeu o alvará de soltura de Cícero.

A prisão foi feita por agentes da 14ª Delegacia de Polícia (Gama) em cumprimento a uma precatória da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Petrolina (PE). Cícero foi preso em casa, em Ceilândia, pelo crime de homicídio qualificado praticado em Pernambuco. Segundo a família, ele tentou dizer que era inocente. Mesmo assim, foi levado para a 14ª DP e, depois, para a carceragem do Departamento de Polícia Especializada (DPE), ao lado do Parque da Cidade. A polícia só detectou o erro no DPE e, então, solicitou a soltura do pedreiro. Caso ele continuasse preso, seria, inclusive, transferido para Pernambuco.

O diretor da Polícia Civil, Jorge Xavier, disse que é preciso averiguar se a ordem judicial está errada ou se o erro ocorreu durante o cumprimento da prisão. Se for comprovada a falha policial, o caso será encaminhado à Corregedoria da corporação. “Temos de saber se os policiais comunicaram imediatamente à Justiça sobre o erro também. É uma situação que precisa ser apurada. Se detectaram o erro e não tomaram providências, podem ser responsabilizados. Uma data de nascimento muda a identificação de quem é a pessoa”, disse.

Tags:

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Artur Nogueira
Então caso você, nobre José Gouveia, tenha um parente marginal, você aceita ser preso em seu lugar??? Comentar é uma coisa, falar essa asneira é bem diferente. O que devíamos tratar é que a cada vez que um inocente é preso já deveria sair da cadeia com danos morais pagos pelo estado e município. | Denuncie |

Autor: Jose Gouveia
Se o criminoso é primo dele, fica tudo em família...rs | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.