16°/ 31°
Belo Horizonte,
20/SET/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Tatto congela divisão de linhas de ônibus após ouvir MPL

Agência Estado

Publicação: 21/02/2014 08:07 Atualização: 21/02/2014 08:27

Após ouvir queixas de usuários dos ônibus municipais em um debate organizado pelo Movimento Passe Livre (MPL) na noite desta quinta-feira, 20, o secretário Municipal de Transportes, Jilmar Tatto, anunciou a suspensão de divisões de linhas. "O seccionamento está congelado e qualquer mudança que venha a ser feita será com ampla divulgação e informação ao cidadão."

O ato do MPL debateu a divisão de grandes linhas de coletivos que ligam bairros e centro em ramais menores, obrigando baldeação em terminais.

Na frente da Prefeitura, o ato terminou com a entrega de uma catraca pintada de dourado ao secretário. Segundo o MPL, o item simbolizava o “primeiro prêmio catraca” e foi concedido a Tatto “pelos serviços prestados aos empresários de ônibus” da cidade.

A partir das 18h30, o debate reuniu cerca de 200 pessoas e durou cerca de 1h30. Tatto ouviu queixas de moradores das zonas sul, norte e oeste e principalmente da zona leste a respeito dos cortes nas linhas. Entre as falas havia acusações de que a secção beneficiava os empresários porque eles ganhariam duas vezes caso um passageiro tivesse de embarcar em dois ônibus para fazer o mesmo trajeto.

O secretário se defendeu e afirmou que o objetivo da medida era dar mais agilidade aos veículos e acabar com a sobreposição das linhas. O discurso, no entanto, não convenceu. “Como se secciona uma linha sem ter a infraestrutura dos corredores de ônibus? É falta de planejamento ou é para aumentar os custos?”, questionou Rafael Siqueira, um dos manifestantes.

Ao fim do ato e aparentando constrangimento pelo prêmio, Tatto defendeu o diálogo com o MPL e disse não ter medo de estudantes nem de manifestações. “São movimentos legítimos que precisam ser ouvidos”, afirmou. A integrante do MPL Mayara Vivian disse ao secretário, enquanto entregava a catraca, que o diálogo era importante, mas o movimento vai para "cima". “Às vezes, a cidade fica em chamas”, disse a ativista.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.