17°/ 28°
Belo Horizonte,
18/ABR/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Imigrantes buscam ajuda em programa da Cracolândia

Agência Estado

Publicação: 19/02/2014 09:49 Atualização:

São Paulo, 19 - Em meio à multidão de viciados que perambulam pelas ruas da Cracolândia, na Luz, região central de São Paulo, cresce o número de dependentes vindos de fora da capital atraídos pelos benefícios da operação De Braços Abertos, da Prefeitura de São Paulo. São homens, mulheres e crianças até de outros Estados. Eles chegam em busca de emprego e de uma forma de se livrar do vício da droga.

A reportagem da Rádio Estadão constatou que parte dos novos moradores acaba mendigando, enquanto outra parte pede apoio a entidades religiosas. O pernambucano José de Lima, de 48 anos, chegou há três semanas, vindo de Gravatá. Sentado em um banco, aguardando o almoço servido por voluntários da Cristolândia, entidade religiosa que atua na área, ele afirma já ter encontrado apoio. “Tô encontrando ajuda e emprego, eu tô procurando me adaptar, não é muito fácil.” Willian, de 30 anos, que veio de Goiás, também procura emprego. Inscrito nas frentes de trabalho do De Braços Abertos, ele ainda espera uma colocação e sobrevive de doações.

Recuperação.

Parte dos viciados busca cura da dependência. “Pra me libertar do meu vício de droga, que eu tenho, é só no caminho de Jesus, e aqui eu tô conhecendo Jesus”, disse Fernando, de 27 anos, vindo de Carapicuíba, na Grande São Paulo.

Comerciantes e trabalhadores da região disseram que, com o início do projeto De Braços Abertos, há maior circulação de usuários de crack. O período da noite é apontado como o mais crítico, até mesmo com crianças nas ruas. A Prefeitura diz desconhecer a situação.

Não existem números oficiais de migrantes na Cracolândia. A secretária de Assistência Social, Luciana Temer, diz que não se pode afirmar que a ação da Prefeitura atraia viciados à região. “Se você andar por São Paulo inteira, você vai encontrar exatamente esta característica: gente do Maranhão, da Paraíba, do Rio Grande do Sul. E eu, como o prefeito (Fernando Haddad), não acredito que a migração aconteça por causa do programa”, afirmou.

Haddad, no entanto, disse que existem indícios da migração. Durante balanço da operação De Braços Abertos, na sexta-feira, ele afirmou estar confiante de que o governo federal possa ajudar outras cidades. “Municípios poderão eventualmente acionar recursos federais para estabelecer programas nesses moldes. Isto, para nós, da Região Metropolitana, é fundamental, porque vai impedir que as pessoas venham para cá, (vai permitir) que as pessoas possam ter programas similares nas suas localidades”, disse. As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.