Médicos operam aposentado que fez protesto em Goiânia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 13/02/2014 20:31

Agência Estado

Goiânia, 13, 13 - O aposentado Paulo Francisco Emídio, de 56 anos, já estava de avental e preparado para a cirurgia de retirada de cálculo no ureter, na quarta-feira, 12, na Santa Casa de Misericórdia de Goiânia, quando os médicos disseram que a operação não seria feita. Era a terceira vez que o procedimento era adiado. Nervoso, com fortes dores e em jejum havia 24 horas, Emídio resolveu ir para a porta do hospital para protestar contra o que chamou de negligência.

“Vim de longe e esperei muitos dias pela cirurgia que eles marcaram e cancelaram pela terceira vez”, reclamou Emídio, morador de Nova Iguaçu de Goiás, a 346 quilômetros de Goiânia. “Pois agora o médico e o hospital me devem desculpas”, disse o paciente do Sistema Único de Saúde (SUS).

O corpo clínico explicou a Emídio que um aparelho necessário para realizar a cirurgia não estava disponível. Mas o protesto do paciente deu resultado. Na manhã desta quinta-feira, 13, ele foi operado (com outra técnica, sem precisar do equipamento) pelo próprio diretor clínico da Santa Casa, urologista José Dias.

Na intervenção, foi retirado um cálculo no ureter (o tubo que transporta a urina do rim à bexiga) que estava a cinco centímetros da bexiga do lado direito. Também foi colocado um cateter duplo, o que também eliminou as cólicas e resultou em dores menos intensas.

“Agora o Paulo Francisco está medicado, passa bem, e receberá alta nesta sexta-feira (14)”, disse Dias ao Estado. “Reunimos o corpo clínico e o paciente para pedirmos desculpas. E, na hora da cirurgia, toda equipe também participou.” Agora, com o moral elevado, Emídio vai para casa no fim de semana. Porém, volta a Goiânia nos próximos 15 dias. É quando será submetido a duas novas cirurgias, ambas para retirada de cálculo nas proximidades do rim direito. Depois, poderá receber alta efetiva.
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.