13°/ 24°
Belo Horizonte,
24/JUL/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Acusado de matar cinegrafista admite ter acendido rojão Declaração foi dada em rápida entrevista. Jovem diz que teve medo de ser morto

Agência Estado

Publicação: 12/02/2014 12:37 Atualização: 12/02/2014 17:21

Suspeito de acender rojão é apresentado pela polícia (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Suspeito de acender rojão é apresentado pela polícia

Em entrevista rápida à TV Globo, ainda na delegacia de polícia em Feira de Santana (BA), Caio Silva de Souza disse nesta quarta-feira, 12, em voz baixa, que acendeu o rojão que atingiu e matou o cinegrafista Santiago Andrade, da TV Bandeirantes. "Acendi sim", balbuciou ele em resposta à pergunta da jornalista.

Depois, o acusado afirmou que teve muito receio de ser assassinado. "Fiquei com medo de me matarem". Ao ser perguntando quem poderia matá-lo, limitou-se a dizer: "Pessoas".

Caio Silva de Souza disse que, embora tivesse aceso o artefato explosivo, desconhecia seu poderio. "Nem sabia que era um rojão", afirmou. O acusado não apresentou ao delegado Maurício Luciano, presidente do inquérito, a mesma confissão transmitida pela emissora. Segundo o policial, ele não quis prestar declarações a respeito do crime.

Caio foi preso na madrugada desta quarta-feira em Feira de Santana, na Bahia, e levado para o Rio de Janeiro. O chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Fernando Veloso, afirmou que uma nova etapa do trabalho de investigação começará agora, com a verificação das outras circunstâncias - quem está por trás das ações violentas em manifestações. "Essa informação não diz respeito a esse inquérito, é um segundo momento", afirmou. Ainda segundo Veloso, a análise das imagens da manifestação mostram que "as pessoas estavam com vontades conjugadas, não parece haver vontade aleatória", afirmou. "Se analisarmos as imagens com cautela, desde quando o fenômeno começou, indicam que as pessoas não estão isoladas".

O delegado Maurício Almeida afirmou que a suspeita é de que o alvo dos ataques eram policiais e que o modo de agir é semelhante ao do Black Bloc, mas ainda não há como confirmar essa informação.

Indiciamento

O inquérito que apura a morte do cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago de Andrade está praticamente encerrado e será encaminhado à Justiça até sexta-feira, 14. Caio de Souza e Fábio Raposo Barbosa, de 22, que também está preso por ligação com a morte de Santiago, serão indiciados por homicídio qualificado e crime de explosão de artefato em via pública. Se forem condenados, os jovens podem pegar até 30 anos de prisão.

Para a polícia, não há dúvidas sobre a participação de Caio no crime. Na entrevista coletiva desta quarta-feira, o delegado Maurício Luciano de Almeida disse que as provas contra o jovem "são contundentes e não deixam dúvidas". Caio é apontado como o homem que acendeu e atirou um rojão que atingiu Santiago durante um protesto no Centro do Rio, na última quinta-feira (6).

"A gente tem certeza que foi ele (o suspeito), apesar dele não ter confessado", afirmou o delegado. Ainda conforme Almeida, Caio de Souza está sendo orientado pelo advogado e vai se pronunciar sobre o crime somente em juízo. "Ele (o suspeito) está sendo cauteloso e vai falar no momento que achar oportuno", disse. O delegado revelou também que as provas testemunhais, técnicas e um vídeo foram importantes para descobrir a autoria do crime.
 

Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.