Cinegrafista atingido por rojão no Rio tem morte cerebral

Santiago Ilídio Andrade, de 49 anos, está internado no Hospital Municipal Souza Aguiar desde a noite de quinta-feira. Ele foi ferido durante uma manifestação no Centro do Rio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 10/02/2014 12:26 / atualizado em 10/02/2014 11:56

Estado de Minas

Wilton Junior/Estadao Conteudo
A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro informou no início da tarde desta segunda-feira a morte cerebral do cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Ilídio Andrade, de 49 anos. Ele foi ferido por um rojão na última quinta-feira, durante uma manifestação contra o aumento da passagem de ônibus, no Centro da cidade. Andrade está internado no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Hospital Municipal Souza Aguiar.

Santiago, que teve afundamento do crânio e perdeu parte da orelha esquerda, foi submetido a uma cirurgia para diminuir a pressão craniana, assim que chegou ao hospital. No sábado, uma tomografia comprovou que a hemorragia havia sido controlada, mas o estado de saúde do cinegrafista piorou.

O profissional foi ferido quando cobria o protesto que ocorreu próximo à Central do Brasil, no centro da capital fluminense. Ele tinha mais de 20 anos de profissão e trabalhava há 10 anos na Rede Bandeirantes. Santiago era casado e pai de quatro filhos.

Por meio de nota, a Secretaria confirmou o estado do cinegrafista:

"A Secretaria Municipal de Saúde lamenta informar a morte encefálica do paciente Santiago Ilídio Andrade, diagnosticada nesta segunda-feira (10) pela equipe de neurocirurgia do Hospital Municipal Souza Aguiar, onde ele está internado no Centro de Terapia Intensiva desde a noite de quinta-feira.

A pedido da família, a SMS torna público o agradecimento a todos os que torceram pelo seu restabelecimento e que, num ato de solidariedade, atenderam ao chamado para doar sangue ao Hemorio."


Investigação

O advogado do tatuador suspeito de ter participado do ataque ao cinegrafista Santiago de Andrade, de 49 anos, disse nesta segunda-feira ter a identificação da pessoa que atirou um rojão que feriu gravemente Santiago Andrade. Em entrevista ao canal Globonews, Jonas Tadeu Nunes explicou como conseguiu o nome do suspeito. “Através do Fábio eu localizei uma pessoa. Essa pessoa é íntima desse rapaz e me passou o nome, me deu o número de identidade, o CPF, me passou as informações necessárias para a localização dele”. Nunes disse ainda que vai repassar as informações para a Polícia Civil.

Fábio Raposo Barbosa, de 22 anos, foi preso na manhã desse domingo, na casa dos pais, no Bairro Recreio dos Bandeirantes, Zona Oeste do Rio. O jovem concordou em colaborar com as investigações para identificar o rapaz a quem ele entregou o explosivo e orientar na confecção de um retrato falado. Segundo a polícia, o jovem informou que não é amigo do rapaz, mas que já o viu em outras manifestações.

Ao aderir à chamada “delação premiada” Raposo não escapa de eventual processo, mas pode ter a pena reduzida após o julgamento, por ter colaborado na elucidação do crime. Ele também poderá aguardar o fim do processo em liberdade. A intenção é identificar o homem que deflagrou o rojão. “Ele não admitiu ainda que o conheça, mas acredito que sim. Inclusive, já perguntou várias vezes quais seriam os benefícios com a delação e, ao ser preso, o padrasto o orientou também a dizer quem é o outro manifestante”, afirmou o delegado Maurício Luciano de Almeida, responsável pelo caso.

Ainda de acordo o delegado, Raposo diz ter recebido uma ligação de um número não identificado o ameaçando e o coagindo a assumir a culpa sozinho. “Isso também pode ser um fator que esteja dificultando a delação. A pessoa que ligou disse que era para ele assumir a culpa sozinho, caso contrário sofreria as consequências. Vamos pedir a quebra do sigilo telefônico e investigar essa ligação”, afirmou o delegado.

Fábio Raposo foi indiciado pela polícia sob suspeita de tentativa de homicídio, mas o advogado quer a redução para lesão corporal grave, em troca de ajuda à polícia. Durante a madrugada de anteontem, o tatuador se apresentou espontaneamente à polícia e disse ter sido ele a pessoa que entregou o rojão ao rapaz ainda não identificado, que acionou o artefato e atingiu Andrade.

O advogado do tatuador, Jonas Tadeu Nunes, vai tentar revogar a prisão temporária, válida por 30 dias, e reduzí-la ao prazo de cinco dias. Esse recurso, porém, só será apresentado na terça-feira, segundo Nunes. O tatuador prestou depoimento durante pouco mais de quatro horas na 17ª DP (São Cristóvão) e de lá seguiu para a Cidade da Polícia, complexo que agrupa delegacias especializadas situado no Jacarezinho, na Zona Norte. Após uma triagem, seguirá para o sistema penitenciário.

Com informações da Agência Brasil
Tags: