19°/ 34°
Belo Horizonte,
30/SET/2014
  • (5) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Substituto de médica cubana chega nesta sexta-feira ao Pará Ramona Matos Rodríguez, de 51 anos, desistiu do programa e saiu no último sábado

Agência Estado

Publicação: 07/02/2014 07:49 Atualização: 07/02/2014 13:33

Cubana foi a primeira a abandonar o programa Mais Médicos (Zeca Ribeiro/Agencia Câmara )
Cubana foi a primeira a abandonar o programa Mais Médicos
O município de Pacajá, no sudoeste do Pará, tinha apenas dois médicos antes do início do Programa Mais Médicos na cidade, em outubro do ano passado, para atender cerca de 43 mil habitantes da região. Pacajá, que fica a 355 quilômetros de Belém, tem 23 mil habitantes.

A cidade de onde a médica cubana Ramona Matos Rodríguez, de 51 anos, desistiu do programa e saiu no último sábado já aguarda uma substituta, que deve chegar ainda nesta sexta-feira, segundo a previsão feita pela prefeitura do município.

De acordo com o secretário de Saúde da cidade, Ronaldo Santos Jr., uma substituição foi logo solicitada assim que souberam da desistência. “A outra médica já está no município de Marabá e deve chegar logo aqui. Também vai atender a atenção básica, como Ramona fazia”, afirmou Santos Jr.

“Além dela, temos mais cinco médicos do programa, o que melhorou o atendimento desde outubro. Antes, não tínhamos médicos nas unidades de saúde, só dois que atendiam no hospital e iam para as unidades de vez em quando.” Ramona saiu de Pacajá dizendo que iria visitar uma paciente. Segundo o secretário, nos quatro meses em que ela esteve na cidade, atendeu muitos cidadãos paraenses.

“Eu passei duas vezes por ela. A segunda foi para levar os exames que ela me pediu. Ela foi especial. Desde que esses médicos chegaram aqui na cidade, incluindo a médica cubana, melhorou muito o atendimento”, afirmou João da Silva, de 64 anos, paciente da médica.
Tags:

Esta matéria tem: (5) comentários

Autor: Filipe Costa
Dilma e sua corja deveria ser processada por escravidão. Onde estão os defensores dos direitos humanos que não falam nada sobre o uso de cubanos como escravos no Mais Médicos. Pois para mim pagar para uns R$ 10.000 e para outros R$800 é no mínimo uso de trabalho escravo. Fora PT! | Denuncie |

Autor: Robes Mendes
Cadê os Direitos humanos, cadê a imprensa, cadê a Justiça? Esses médicos cubanos estâo trabalhando no Brasil sob regime de ESCRAVIDÃO à ditadura cubana, com apoio total do Brssil. | Denuncie |

Autor: Marcelo Caldas
Em cuba, todo mundo deve ser médico. tem tanto lá sobrando. | Denuncie |

Autor: Marcos Augusto Ricardo de Gouvea
Namorado, muitas vezes, remove montanhas! A doutora, segundo setores da mídia, estava louca para ir se encontrar com o amado nos EEUU, o que fez com que ela arquitetasse sua passagem pelo Brasil. Não deu certo. Quem sabe aqui encontre outro, embora amparada logo pelo DEM... Afinal, "a fila anda". | Denuncie |

Autor: Diego
Ferrou. nem cubano aguenta nosso sistema! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.