18°/ 28°
Belo Horizonte,
23/NOV/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Coutinho era um ótimo pai, diz irmã

Agência Estado

Publicação: 03/02/2014 13:07 Atualização: 03/02/2014 13:33

A irmã do cineasta Eduardo Coutinho, Heloísa de Oliveira Coutinho, chegou nesta segunda-feira, 03, por volta das 11h30, ao velório do irmão, morto no domingo, 02, à facadas pelo filho Daniel. Heloísa disse que Coutinho era um "ótimo pai", o que torna ainda mais incompreensível o ataque. O corpo do cineasta está sendo velado no cemitério São João Batista, em Botafogo, zona sul, e será enterrado às 16h, desta segunda-feira, 03. O outro filho de Coutinho, o promotor de Justiça Pedro Coutinho, ainda não chegou ao velório.

"Nós falávamos pouco porque eu moro em São Paulo. Ele conversava muito com meu outro irmão, mas não acompanhávamos o dia a dia da família. (A morte) foi uma completa surpresa." Ela disse que o sobrinho Pedro ligou por volta das 13h para contar sobre a tragédia. "O Eduardo era um ótimo pai, mas tinha uma vida muito discreta, apesar de ser muito engraçado. Ele era muito original", afirmou.

"Meu irmão foi homenageado quando completou 80 anos e agora está sendo lembrado novamente por seu trabalho", acrescentou.

Moradora do Edifício Master, em Copacabana, zona sul, e primeira personagem a contar sua história no documentário homônimo, a professora aposentada Vera Lúcia Maciel Savelle, de 62 anos, lembrou com saudade das gravações do filme.

"Não havia separação de importância entre ele e nós, moradores. Nós nos divertíamos muito. Antes dele, nosso prédio era uma bagunça e hoje é um condomínio quatro estrelas". Moradora do Master desde 1953, Vera Lúcia disse que a réplica do Kikito de Ouro (prêmio máximo do Festival de Gramado), ganho pelo documentário, está no condomínio até hoje.

A artesã Fátima Gomes Pereira, de 55, participou dos filmes Babilônia 2000 e Canções. Muito emocionada, ela relembrou a amizade com o "velhinho", como costumava chamar Coutinho. "Ele sempre me chamava para cantar. Nos encontrávamos nas estreias dos filmes e depois saiamos para beber. Ele era uma pessoa muito boa". Fátima disse que conheceu a família Coutinho, mas tinha pouco contato com a esposa e o filho do cineasta. "Para mim, ele (Daniel) era uma pessoa legal. Foi lamentável".
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.