Brasileiro é nomeado novo organizador de eventual conclave

Dom Ilson de Jesus Monterani é o novo secretário do Colégio Cardinalício, responsável por liderar o processo de escolha do novo papa, caso Francisco morra ou renuncie

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 28/01/2014 18:19 / atualizado em 28/01/2014 18:40

Agência Estado

O brasileiro d. Ilson de Jesus Montenari, de 54 anos, foi nomeado nesta terça-feira, 28, pelo papa Francisco para o cargo de secretário do Colégio Cardinalício. Natural de Sertãozinho (SP), na arquidiocese de Ribeirão Preto, ele ocupa desde outubro do ano passado a secretaria da Congregação para os Bispos, cujo presidente é o cardeal canadense Marc Ouellet. Os dois cargos são cumulativos.

Montenari sucede a d. Lorenzo Baldisseri, ex-núncio apostólico no Brasil, que passou a ocupar o cargo de secretário-geral do Sínodo dos Bispos e foi elevado a cardeal entre os 19 nomes anunciados, em 12 de janeiro, pelo papa Francisco. Funcionário da Congregação dos Bispos desde 1989, o brasileiro foi nomeado arcebispo em outubro do ano passado, por causa da função que passava a exercer. No dia 7 de novembro, recebeu a ordenação episcopal.

Na eventualidade de um conclave, o secretário do Colégio de Cardeais funciona também como secretário na condução dos trabalhos para a escolha do novo papa. Em 13 de março do ano passado, Baldisseri, então secretário do conclave, recebeu a indicação de que seria nomeado cardeal quando pôs o solidéu branco na cabeça de Francisco e este, em retribuição, lhe impôs o solidéu vermelho que usava.

O Colégio Cardinalício é atualmente formado por 199 cardeais, sendo 107 eleitores e 92 com mais de 80 anos, sem direito de voto. A partir de 22 de fevereiro, quando se realizará o consistório para formalização das novas nomeações, os eleitores serão 123, mas até maio esse número baixará para 120 (máximo de eleitores estabelecido para o conclave), pois três cardeais completarão 80 anos.

Tags:
Comentários O comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.