10°/ 20°
Belo Horizonte,
31/JUL/2014
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Família descarta crime de homofobia e admite suicidio de jovem em SP Mãe não acreditava na versão da polícia, mas mudou de ideia após família encontrar diário de Kaique

Estado de Minas

Publicação: 21/01/2014 16:19 Atualização: 21/01/2014 16:44

 (Reprodução/Facebook)

A cabeleireira Isabel Cristina Batista, mãe do adolescente Kaíque Augusto Batista dos Santos, que foi achado morto num viaduto da região central de São Paulo há dez dias, reconheceu nesta terça feira, 21, que o filho se suicidou. A hipótese, de acordo com Cristina, foi reforçada pelas investigações da polícia e as mensagens de despedida encontradas no diário apreendido na casa de Kaíque, de 17 anos. Inicialmente, a família falava em homofobia.

"Foi um choque. Ele não apresentava sinais de depressão", afirmou a cabeleireira. As anotações do adolescente indicam que ele havia passado por uma decepção amorosa. Havia ainda mensagens de despedida para a família. As informações preliminares da perícia também indicam que Kaíque se atirou do viaduto, após sair de uma casa noturna onde estava com amigos. A investigação é conduzida pelo 3º Distrito Policial (Campos Elísios).

 

Morte

O corpo de Kaique Augusto Batista dos Santos foi encontrado desfigurado pela Polícia Militar, no sábado, 11, próximo a um viaduto na região da Bela Vista. A ocorrência foi registrada inicialmente como suicídio. Amigos de Kaique dizem que o viram pela última vez em uma boate na sexta-feira, 10, um dia antes de o corpo ser encontrado

 

A família alegou que não se tratava de suicídio, já que a vítima teria uma perfuração na perna com uma barra de ferro e vários machucados que indicariam tortura.  Revoltados com o resultado do laudo, que inicialmente apontava a possibilidade de o jovem ter sido torturado, ativistas marcaram uma manifestação contra a homofobia no Largo do Arouche na sexta-feira passada, dia 17.

Tags:

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: Bruno Alberto
ninguém pensa no tanto que o menino sofreu, pela tradição homofóbica que nos ronda, para chegar ao ponto de se matar. ao invés disso ficam falando da suposta patrulha blablablá. | Denuncie |

Autor: carlos bertoline
Todo radicalismo é nefasto e perigoso. Qualquer coisa já se conjecturam homofobia, racismo, preconceito de classe. O PT criou uma coisa absurda. | Denuncie |

Autor: opiniao opiniao
Pois é, se chegou a um ponto que se um gay morrer de qualquer morte, os movimentos gay ja fala que é homofobia. Será que gay é um ser diferente de qualquer hetero que morre, ou seja quando morre um gay atropelado é homofobia do transito. Agora faça passeatas pedindo desculpas por falsas acusaçoes. | Denuncie |

Autor: Carlos Felipe Guimaraes
Onde está agora a ministra dos direitos humanos que fez acusações públicas de crime de homofobia? Onde está a patrulha do "politicamente correto" e a tropa de aproveitadores que tentaram tirar proveito político do caso? AGORA, TUDO NO BRASIL É MOTIVO PARA DESTILAR O ÓDIO E A DIVISÃO! Viva o PT! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.