16°/ 30°
Belo Horizonte,
24/OUT/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

"Parecia que o pé seria decepado", diz homem que se acidentou em piscina de GO

Mara Puljiz - Correio Braziliense

Luiz Calcagno - Correio Braziliense

Publicação: 15/01/2014 13:19 Atualização:

Para o secretário de Turismo de Caldas Novas, Paolo Rosa, a falta de uma norma específica para condomínios dificulta a fiscalização por parte do Estado. Cinco dias após a morte do menino Kauã Davi de Jesus Santos, 7 anos, em Caldas Novas (GO), mais uma pessoa acabou vítima da falta de manutenção nas piscinas do mesmo clube, o Condomínio Privé das Thermas I.

O administrador Josias Andrade Saraiva, 43 anos, fraturou a tíbia e teve luxação em três dedos após o pé direito ficar preso em um ralo sem tampa. A piscina de 1,40m fica ao lado da área aquática infantil, onde Kauã teve o braço sugado por um orifício sem tampa no início do ano. Mesmo após o segundo acidente, o clube segue em funcionamento. Mas, nesta quarta-feira, o Ministério Público de Goiás deve recomendar a suspensão das atividades no parque aquático.

“Os edifícios residenciais se transformaram em comércio. Estamos elaborando uma legislação e criando uma possibilidade legal para fiscalizar os empreendimentos que dispõem de parque aquático e piscina”, revelou Paolo Rosa. O delegado adjunto de Caldas Novas, Pedro Garcia Cairex, pretende ouvir até a próxima semana os donos do Privé das Thermas I, além de funcionários e testemunhas. “É um crime de menor potencial ofensivo e vamos apurar de quem é a culpa pela lesão corporal, mas a negligência está evidenciada em razão de o ralo não estar lá. Agora, será apurada a dimensão da negligência e a individualização da culpa, se da administração ou dos encarregados pela manutenção”, explicou.

O advogado do resort, Gildomar Rezende da Rocha Júnior, informou que o incidente está em apuração. Por meio de nota, o condomínio destacou que Josias ficou com o pé preso na tubulação “após este (Josias) retirar o ralo de proteção, talvez por descuido ou pondo à prova a resistência.” Segundo ele, a retirada dos ralos é feita periodicamente, além de colocados três produtos para que não saiam.

A família de Josias entrou na Justiça para pedir uma indenização por danos morais. A audiência está marcada para 11 de março, no Fórum de Caldas Novas.

Depoimento de Josias
A gente saiu de uma piscina fria para uma aquecida. Estava andando pela borda da piscina, quando pisei com o calcanhar no buraco e o pé desceu. O ralo não tinha tampa de proteção. Nos primeiros 10 minutos, eu tentei manter a calma, mas senti cãibra, e o meu pé começou a doer demais. A piscina tem 1,40m, e eu tenho 1,75m. Ainda assim, engoli água umas três vezes. Se fosse alguém mais baixo, teria morrido.

O salva-vidas demorou 25 minutos para chegar, nem queriam que a gente chamasse os bombeiros por causa do acontecimento anterior (do menino Kauã). O salva-vidas ainda queria ligar a bomba de sucção (foto) para esvaziar a piscina mesmo com o meu pé dentro. Se estivesse sugando, eu não estaria vivo. Foi uma dor infernal e quase uma hora de desespero. Parecia que o meu pé seria decepado.

Em nenhum momento, ninguém do clube nos procurou para saber se eu precisava de alguma coisa. Ao contrário, ameaçaram e disseram que era sabotagem e que a gente não sabia com quem estava mexendo. Foi uma péssima experiência. Se ninguém tomar providências, vai acontecer a mesma coisa com outras pessoas.

Josias Andrade Saraiva, 47 anos, administrador e morador de Taguatinga

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.