17°/ 30°
Belo Horizonte,
31/OUT/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

'Tsunami' de Itaoca pode ter deixado 20 mortos Uma tromba d'água atingiu a zona rural, entre a noite de domingo, 12, e madrugada de segunda-feira, 13

Agência Estado

Publicação: 14/01/2014 19:37 Atualização: 14/01/2014 20:18

"A gente achava que tsunami só acontecia na Ásia, mas veja isso", dizia nesta terça-feira, 14, o aposentado Teodoro Vergílio de Almeda, de 74 anos, com barro até o joelho, na porta da casa da filha, no bairro Lageado, a três quilômetros do centro de Itaoca, no Alto Ribeira, a 343 km de São Paulo. Ao redor deles, móveis, colchões, roupas e utensílios se misturavam a montes de troncos, galhos e pedras sobre o que antes era uma rua. Até o final da tarde, os bombeiros tinham encontrado os corpos de 12 das 20 prováveis vítimas da tragédia.

Uma tromba d'água atingiu a zona rural, entre a noite de domingo, 12, e madrugada de segunda-feira, 13, e fez com que as águas do rio Palmital, que corta a cidade, descessem como uma avalanche, arrancando árvores, pedras, pontes e arrastando pontes, casas, carros e gente. "Ouvi barulho de pedras batendo, árvores quebrando e a luz apagou. Quando saí para ver meu carro, vi só o capô brilhar no escuro, no meio do redemoinho", contou Jean Carlos dos Santos, de 28 anos, morador de Sumaré que passava uns dias com a família na cidade. Quando amanheceu, ele achou o carro a trezentos metros, sobre uma pilha de troncos. "Graças a Deus a casa não foi atingida."

Já a lavadeira Maria Aparecida Mota, de 60 anos, acordou com uma onda invadindo o quarto e levantando a cama. "Gritei para as minhas filhas, vamos pra fora." Ela se lembra que saiu com água quase no pescoço e viu o sobrinho Fernando ser atingido no peito por um tronco como um aríete. Ele puxava o pai, Diocleciano, e a irmã Valquiria, pelos braços para fora da correnteza quando foi atingido. "O pau deu no peito e ele afundou, mas conseguiu se recuperar, só que não alcançou mais os dois." O corpo de Valquíria era velado nesta terça na Câmara Municipal, mas o de Dió, como a família chamava o pai, ainda não tinha sido achado. "Fernando foi medicado, mas está como se tive morrido também", conta a mulher.

Na tragédia de Itaoca, não houve tempo para velório coletivo. Os corpos eram velados e enterrados à medida que iam sendo achados entre os montes de entulhos deixados pela torrente. No cemitério municipal, as covas eram abertas na terra e recebiam uma plaquinha em papel sulfite só com o primeiro nome do falecido. O coveiro Maurício Rosa Rodrigues, de 56 anos, ganhou o reforço de dois ajudantes. "Em 20 anos, nunca vi tanta morte junta", contou. "Já têm sete sepultados. Ali enterrei a mulher e a filha, Silvana, junto com a mãe. A cova vazia é para o marido dela que ainda não foi achado."

O agricultor João de Souza, de 40 anos, ganhou o respeito dos vizinhos depois que salvou a vida do aposentado João Dias da Rosa, de 87 anos, que é paralítico, e da irmã dele, Santina Dias da Rosa, de 61. O idoso estava no sofá quando a água invadiu. A mulher tentou correr, caiu e foi arrastada. "Já me contava como morta, quando ele nos levou pelos fundos." Na casa vizinha, Miriam de Almeida Gonçalves, de 44 anos, se abraçou às filhas Giovana, de 11, e Graziele, de 5, enquanto a água jorrava pela janela. "O fogão rodou, o armário caiu e entramos em desespero. Sorte que a força da água abriu a porta da cozinha e nos empurrou para fora."

Na cidade, o ambiente era de guerra. Caminhões, viaturas dos bombeiros, carros oficiais e veículos trazendo alimentos, água e roupas se juntavam num estranho congestionamento no que sobrou das ruas entre montes de galhos que lembravam desfiladeiros. Às 17h30, havia 56 bombeiros de Apiaí, Sorocaba e Capão Bonito em busca de pessoas ilhadas e de corpos, com a ajuda de cães farejadores e um helicóptero. O sargento Agnaldo Ferreira, de Sorocaba, contou ter retirado de barco um idoso de 95 anos que tinha mal de Alzheimer. Uma criança com febre também foi resgatada - duas pontes sobre o Palmital caíram e deixaram muita gente ilhada.

Havia ainda mais de trezentos desalojados e vinte desabrigados. A Defesa Civil contabilizava 19 casas destruídas, número que deveria crescer. As buscas por corpos se concentravam no bairro Guarda Mão, onde uma família inteira, com seis pessoas, estava desaparecida. De acordo com o coronel Marco Aurélio Alves Pinto, comandante da força-tarefa, além das buscas e resgates, já se iniciava o trabalho de reconstrução dos serviços públicos afetadas. A energia tinha sido restabelecida em 80% da cidade - mais de três quilômetros de rede, incluindo postes, caíram -, e o serviço de água voltava ao normal. Máquinas da prefeitura, Departamento de Estradas de Rodagem (DER), empresas e outras prefeituras da região ajudavam a remover os entulhos.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB), que voltou à cidade na manhã desta terça-feira - já havia estado no dia anterior -, anunciou a reconstrução das duas pontes destruídas e a construção de 90 casas para as famílias que perderam imóveis, além de um benefício social de R$ 300 durante seis meses e R$ 1 mil por família para a compra de materiais de construção. A triagem será feita pela prefeitura, com apoio de órgãos do governo. A esperança é de que, em uma semana, a cidade de 3.219 habitantes comece a voltar ao normal.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.