20°/ 31°
Belo Horizonte,
31/AGO/2014
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Menina de 11 anos que morreu presa a ralo de piscina é entrerrada no Espírito Santo Naisla Cestari Loyola teve os cabelos sugados. Acidente ocorreu na casa da criança

Agência Estado

Publicação: 07/01/2014 20:24 Atualização:

A estudante Naisla Cestari Loyola, de 11 anos, foi enterrada na tarde desta terça-feira, 7, no cemitério São José, em Linhares (ES). A menina morreu afogada na piscina de sua casa, ao ter os cabelos sugados pelo ralo do sistema de limpeza, que fica no fundo da piscina.

O acidente ocorreu por volta das 18h, quando a menina brincava com duas amiguinhas . Segundo testemunhas, ao mergulhar, os cabelos da menina foram sugados e ela ficou presa sob a água, no fundo da piscina. Como Naisla demorava a voltar, as amiguinhas deram o alerta para os pais dela, que estavam do outro lado da casa. Os pais da menina, o professor de matemática Carlos Magno, e a mãe, conhecida por Lora, entraram na água cortaram o cabelo da filha com uma tesoura e trouxeram a filha à tona. Eles ainda tentaram reanimá-la com massagem e respiração artificial. Os bombeiros foram chamados e também tentaram a reanimação artificial antes de levar a menina ao Hospital Rio Doce, no Centro de Linhares. Mas a menina não resistiu. De acordo com os bombeiros, ela ficou entre cinco e seis minutos debaixo d'água, antes de ser retirada.

O delegado Fabricio Olindo, do Departamento de Polícia Judiciária de Linhares, que apura o caso, disse que possivelmente a menina tenha morrido antes mesmo de dar entrada no hospital, por volta das 19h. Segundo ele, um inquérito foi aberto para apurar o caso. "O laudo cadavérico devem sair amanhã (quarta-feira), mas deve comprovar o afogamento. Vamos apurar se houve falha nos equipamentos do sistema de limpeza e ouvir os familiares sobre os fatos", comentou o delegado.

A morte da menina causou comoção no Jardim Laguna, onde a família de Naisla mora. "Ele era uma menina muito saudável, brincava sempre com todos moradores daqui. O bairro ficou muito triste com essa notícia", disse um dos moradores, Agape Campos.

Três casos em quatro dias

Este foi o terceiro caso, em quatro dias, de criança que morre por afogamento causado pelo sistema de limpeza de piscinas. No último sábado Hauã de Jesus Santos, de sete anos, se afogou ao ter braço sugado pelo ralo de uma piscina de Caldas Novas (GO), onde passava o feriado de Ano-Novo. Ele ficou internado por três dias.

Na sexta-feira, dia 3, Mariana Rabelo de Oliveira, de oito anos, também morreu após ficar presa no fundo da piscina após seu cabelo ser sugado pelo ralo do sistema de limpeza de uma piscina do parque aquático do Jaraguá Country Club, de Belo Horizonte. Ela ficou submersa por cerca de 18 minutos no fundo da piscina antes de ser socorrida por um salva-vidas.
Tags:

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: cesar bolt
De repente tantas mortes por afogamento em piscinas. E em cidades diferentes. | Denuncie |

Autor: geraldo magela
Estranho que tamanho risco que oferece esses equipamentos não seja objeto de alerta pelos fabricantes, informando a potência e medidas preventivas. Ou será que se alertados os compradores, estes ignoraram as medidas protetivas? E a chave para desligar essas bombas? Tem acesso fácil? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.