18°/ 30°
Belo Horizonte,
21/ABR/2014
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Índice de praias limpas em São Paulo cai pela metade

Agência Estado

Publicação: 29/12/2013 07:52 Atualização:

Para os turistas que se preparam para curtir o sol e o mar do litoral de São Paulo neste verão, a notícia não é muito animadora. O índice de praias paulistas que permaneceram próprias para banho em todas as semanas do ano caiu pela metade entre o ano passado e este ano, de acordo com dados da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb).

Em 2012, 35% das praias monitoradas pelo órgão conseguiram manter a bandeira verde durante todo o ano. Em 2013, esse índice caiu para 15%, segundo informações da companhia. Entre os municípios que registraram as maiores quedas estão alguns dos destinos preferidos dos turistas do Estado, como São Sebastião, Bertioga e Ilhabela. No primeiro, o índice de praias consideradas boas ou ótimas pela Cetesb, ou seja, que passaram 100% do tempo próprias, passou de 56%, em 2012, para 10%, em 2013. As badaladas Baleia e Juqueí foram duas das praias do município a saírem da lista de "cinco-estrelas".

Em Bertioga, o mesmo índice caiu de 44% para 11% no período. Já Ilhabela não teve nenhuma praia considerada ótima ou boa neste ano - no ano passado, a cidade teve 27% de praias nessa condição. A maioria das praias é avaliada pela Cetesb semanalmente. A praia é considerada imprópria quando a água tem índices de bactérias fecais acima do aceitável. O contato do banhista com os micro-organismos pode causar problemas como gastroenterites (inflamação do sistema gastrointestinal) e doenças dermatológicas.

Cetesb e prefeituras apontam três razões para a piora nos resultados: aumento do volume de chuvas neste ano, crescimento populacional no litoral, sobretudo em ocupações irregulares, e rede de coleta e tratamento de esgoto insuficiente. "Tivemos chuvas muito fortes em algumas épocas deste ano. Quando isso acontece, a água vai lavando toda a superfície, levando a sujeira e o esgoto despejado de forma clandestina para o mar", explica Claudia Lamparelli, gerente do setor de águas litorâneas da Cetesb.

Ela afirma que o órgão já vem advertindo, em seus relatórios anuais, para as consequências do crescimento populacional desordenado no litoral. "Para o saneamento acompanhar esse crescimento é difícil. Em áreas irregulares, por exemplo, a Sabesp não pode instalar rede de coleta e tratamento de esgoto."
Tags:

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: luiz ferreira
Falta de governo e autoridades que protegem a bandidagem e a desordem da nisso. Caos generalizado. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.