19°/ 30°
Belo Horizonte,
21/ABR/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Depois dos 50, mamografia será sem marcação

Agência Estado

Publicação: 26/12/2013 08:48 Atualização:

As mulheres paulistas com mais de 50 anos poderão fazer mamografias no mês de aniversário, sem necessidade de agendamento, em mais de 300 ambulatórios médicos de especialidades (Ames) e em quatro unidades itinerantes, que percorrerão a capital e o interior. O primeiro veículo de exames será inaugurado nesta quinta-feira, 26, em Santo Amaro, na zona sul, pela Secretaria de Estado de Saúde. O atendimento nas Ames e nas outras unidades começará em janeiro.

A expectativa é de que cada ponto itinerante do projeto, batizado de “Mulheres de Peito”, faça mil atendimentos por mês. As carretas de exames terão estrutura para realizar mamografias, biópsias, exames histológicos (para detecção de câncer) e marcação de consultas, em caso de resultado positivo. Para cada mil mamografias, é prevista a necessidade de cerca de 50 biópsias - retirada de amostras de tecido para análise.

“Queremos que todas as mulheres do Estado de São Paulo se previnam contra a principal causa de morte por câncer entre elas”, explica o secretário estadual de Saúde, David Uip. O programa não tem prazo para terminar, e a pasta ainda definirá os trajetos das unidades móveis de exame. Serão privilegiados os pontos de maior vulnerabilidade no acesso às unidades médicas onde há aparelhos de mamografia. A ideia é que elas fiquem entre 15 e 20 dias em um local e depois migrem para atendimento em outra região.

Cuidados

O vice-presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), José Luiz Pedrini, alerta para a importância do diagnóstico rápido. “A identificação precoce da doença evita cerca de 30% das mortes”, afirma. A SBM recomenda que os primeiros exames de mama sejam feitos em faixa etária ainda mais jovem, a partir dos 40 anos. “A idade mínima ainda é motivo de debates acadêmicos no Brasil e no exterior”, diz.

Pedrini alerta, no entanto, para o índice de exames que não conseguem identificar a doença. Em cerca de 20% dos casos, de acordo com ele, a mamografia não detecta o câncer. “É necessário que os programas de governo prevejam ainda mais consultas e acompanhamento das pacientes”, defende.

Para ele, unidades itinerantes de consulta servem como incentivo mas é fundamental conscientizar as mulheres sobre a prevenção. “É mais barato convencer as pessoas a irem aos locais de exame do que levar toda a tecnologia de diagnóstico para vários lugares”, diz.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.