19°/ 29°
Belo Horizonte,
19/ABR/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Prefeito do Rio não quer descumprimento de contratos sobre reajuste de passagens Após o reajuste para R$ 2,95 ter sido cancelado em virtude dos protestos de junho, voltou à pauta da prefeitura o aumento do valor da passagem, que está em R$ 2,75 e pode passar de R$ 3 no ano que vem

Agência Brasil

Publicação: 24/12/2013 14:20 Atualização:

O prefeito Eduardo Paes disse hoje (24) que é preciso esperar a avaliação do Tribunal de Contas do Município (TCM) sobre o reajuste das passagens de ônibus, mas que "não quer transformar o Rio em uma cidade que não cumpre contratos".

"O reajuste é contratual, está em uma tabela do contrato", destacou o prefeito, que enfatizou: "Infelizmente, a gente vê muitas cidades do Brasil descumprindo contratos, e vê o mal que isso faz. Não vou ficar de populismo barato. O Rio de Janeiro não vai pagar dinheiro público a empresário de ônibus. A passagem pode se equilibrar.

Ao defender sua posição, o prefeito fez uma comparação com São Paulo: "Não vou deixar chegar à herança do [prefeito de São Paulo, Fernando] Haddad, de R$ 1,5 bilhão, que podia ser aplicado em saúde e educação e está na mão de empresário de ônibus. Esse crime eu não vou cometer".

Após o reajuste para R$ 2,95 ter sido cancelado em virtude dos protestos de junho, voltou à pauta da prefeitura o aumento do valor da passagem, que está em R$ 2,75 e pode passar de R$ 3 no ano que vem. A decisão será tomada pelo TCM.

Na manhã de hoje, na inauguração da ponte estaiada do corredor Transcarioca na Barra da Tijuca, o presidente do Sindicato das Empresas de Ônibus do Rio, Lélis Teixeira, defendeu o reajuste como forma de equilibrar os custos das concessionárias.

"O próprio governo federal elevou o diesel, que tem um peso de 25% nos nossos custos, e aumentou o salário mínimo. As despesas com pessoal são 45% da nossa planilha. Também demos 10% de aumento aos rodoviários no ano passado e 10% neste ano, e nada disso foi repassado. É preciso recompor os custos para ter equilíbrio financeiro".

A possibilidade de um novo aumento das passagens levou manifestantes de volta ao centro da cidade na semana passada, em uma passeata que fechou a Avenida Rio Branco.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.