17°/ 29°
Belo Horizonte,
18/ABR/2014
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Exame não indica insulina em excesso em Joaquim Os laudos já foram emitidos, mas não chegaram ainda à Delegacia de Investigações Gerais de Ribeirão Preto

Agência Estado

Publicação: 09/12/2013 17:47 Atualização: 09/12/2013 17:53

Cartazes foram afixados em frente à casa onde morava Joaquim (Sergio Masson/Estadão Conteúdo)
Cartazes foram afixados em frente à casa onde morava Joaquim
Exames realizados em tecidos retirados do corpo de Joaquim Ponte Marques, de 3 anos, encontrado morto em um rio em 10 de novembro após cinco dias desaparecido, não detectaram a presença de uma dose excessiva de insulina, como acreditava a polícia. Os laudos já foram emitidos, mas não chegaram ainda à Delegacia de Investigações Gerais de Ribeirão Preto. A mãe do menino, Natália Ponte, e o padrasto, Guilherme Longo, tiveram a prisão prorrogada pela juíza Isabela Cristina Alonso dos Santos Bezerra da 2ª Vara do Júri e das Execuções Criminais de Ribeirão Preto.

Os resultados são de análises realizadas no Laboratório de Toxicologia da Polícia Civil de São Paulo. Uma fonte da polícia informou que o laudo foi negativo para a morte por insulina. E, na tarde desta segunda-feira, 9, o delegado Paulo Henrique Martins de Castro confirmou que realmente não foi detectado o medicamento no corpo do menino, que era diabético.

Ele afirmou, porém, que ainda não leu os documentos e que, mesmo tendo dado negativo para a insulina, talvez tenha detectado outras substâncias que indiquem algo nesse sentido. "Desde o início sabíamos da possibilidade de dar negativo", justificou. Indagado se isso não pode pesar na decisão da Justiça sobre a prisão do casal, Castro descartou. "Uma coisa não tem nada a ver com a outra."

A princípio o delegado garante que a linha de investigação está mantida. Segundo ele, nesta semana mais pessoas prestarão depoimento, mas o casal não deverá ser ouvido. O menino desapareceu de sua casa em Ribeirão Preto no dia 5 do mês passado, mas seu corpo foi localizado no Rio Pardo, em Barretos, no dia 10.

A linha de investigação policial aponta o padrasto Guilherme Longo como principal suspeito pela morte de Joaquim. Para isso, segundo a polícia, teria aplicado uma dose excessiva de insulina no garoto e depois jogado o corpo na água. Longo nega qualquer envolvimento no caso, assim como Natália.
Tags:

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: Miguel D Avila
Houve acusações sem provas. A investigação policial parece isenta, mas deve evitar espetáculo. Deve-se investigar, até prova em contrário, se houve assassinato ou outra possibilidade. Sob efeito psicológico da insulina ou de alterações acentuadas de glicose, o menino pode ter ido até o rio sozinho. | Denuncie |

Autor: Sergio Batista
A imprensa muda muito as coisas. No JN, entrevistaram o delegado e ele disse que não encontraram vestígios de insulina e segundo afirmou, já era até previsto, em razão do adiantado estado de decomposição do corpo e pelo fato de o organismo absorver a insulina de forma rápida. | Denuncie |

Autor: Delmiro Portilho
... Xiiii ... | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.