SIGA O EM

Coreia do Norte: Macron alerta contra 'escalada das tensões'

Em comunicado, presidente francês manifestou sua 'preocupação diante do agravamento da ameaça balística e nuclear'

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1141706, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'AFP / TIZIANA FABI ', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/08/12/891393/20170812105131807927i.JPEG', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 12/08/2017 10:25 / atualizado em 12/08/2017 10:53

AFP /Agence France-Presse

AFP / TIZIANA FABI

O presidente francês, Emmanuel Macron, fez um apelo à "responsabilidade", neste sábado (12), e advertiu contra "qualquer escalada das tensões" entre entre Washington e Pyongyang, após uma semana de intensa retórica bilateral.


Em um comunicado, Macron manifestou sua "preocupação diante do agravamento da ameaça balística e nuclear proveniente da Coreia do Norte". O presidente afirmou ainda que "a comunidade internacional deve agir de maneira concertada, dura e eficaz", com o objetivo de levar Pyongyang "a retomar sem condições a via do diálogo".


"Com os outros membros do Conselho de Segurança", a França pede à Coreia do Norte que "cumpra sem demora suas obrigações internacionais e proceda ao desmantelamento completo, verificável e irreversível de seus programas nucleares e balísticos", acrescentou.


O presidente francês também lembrou "os aliados e sócios da França" na região próxima à península coreana "de sua solidariedade no momento atual".

Londres também reagiu neste sábado. O ministro britânico das Relações Exteriores, Boris Johnson, responsabilizou o regime de Kim Jong-un pela "crise" e garantiu que trabalha com seus sócios para encontrar uma "saída diplomática" para o conflito. "O regime norte-coreano é a causa do problema e deve resolvê-lo", tuitou Johnson.

"A comunidade internacional trabalha lado a lado para garantir que a Coreia do Norte ponha fim a suas operações agressivas", assegurou, acrescentando que "trabalhamos com os Estados Unidos e com nossos sócios na região para encontrar uma saída diplomática para a crise".

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
claudio
claudio - 12 de Agosto às 11:36
almofadinha desagradável!!
 
claudio
claudio - 12 de Agosto às 11:20
lá vem esse almofadinha oportunista querendo aparecer declarando o óbvio!!..vá cuidar de seu pais que está uma merda!!