SIGA O EM

Milhares protestam e pedem Odebrecht fora da República Dominicana

Com camisetas verdes em sinal de esperança, levavam cartazes com dizeres como 'prisão para os corruptos' e 'fora juízes políticos'

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1135707, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'ERIKA SANTELICES/AFP', 'link': '', 'legenda': 'Odebrecht conseguiu 17 contratos com o governo da Rep\xfablica Dominicana e, para isso, pagou US$ 92 milh\xf5es em subornos', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/07/16/884283/20170716163947269434u.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 16/07/2017 15:07 / atualizado em 16/07/2017 16:41

Agência Estado

ERIKA SANTELICES/AFP

Milhares de pessoas marcharam neste domingo na República Dominicana até o Congresso para exigir a prisão dos envolvidos nos subornos milionários pagos pela companhia brasileira Odebrecht. Os manifestantes desejam também que a empresa seja impedida de operar no país.

A forte presença no ato é uma mostra de que a sociedade "está dizendo não à impunidade e à corrupção", afirmou o ativista Juan Comprés. Os manifestantes se reuniram desde cedo na capital e seguiram até a sede do Legislativo. Com camisetas verdes em sinal de esperança, levavam cartazes com dizeres como "prisão para os corruptos" e "fora juízes políticos".

O autodenominado Movimento Marcha Verde surgiu em janeiro, convocado por grupos da sociedade civil para exigir uma investigação independente sobre os subornos milionários da Odebrecht e processo judiciais contra os envolvidos.

A companhia brasileira confessou, segundo uma investigação difundida pelo Departamento de Justiça americano, que entre 2001 e 2014 pagou subornos de US$ 788 milhões em dez países da América Latina e em dois da África para garantir contratos públicos.

No caso da República Dominicana, a Odebrecht conseguiu 17 contratos com o governo e, para isso, pagou US$ 92 milhões em subornos. A companhia ainda trabalha na construção da usina termelétrica de Punta Catalina, que terá um custo superior a US$ 2 bilhões.

O procurador-geral dominicano, Jean Alain Rodríguez, fechou um acordo com a Odebrecht, pelo qual não processará os executivos da empresa, que poderá seguir com suas operações no país, mas pagará multa de US$ 184 milhões. Além disso, a Odebrecht se comprometeu a entregar informações para processar autoridades locais que receberam subornos.

Com a informação da Odebrecht, a procuradoria acusou o ex-ministro da Indústria e Comércio, Temístocles Montás, três parlamentares, um empresário e nove ex-funcionários públicos. Somente dois deles seguem em prisão preventiva. Ao final das audiências judiciais contra os supostos implicados, a presidente da Câmara Penal da Suprema Corte, Miriam Germán, disse em 8 de julho que o documento apresentado pela procuradoria carecia de provas suficientes. Fonte: Associated Press.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Eduardo
Eduardo - 16 de Julho às 18:01
Essa tal de Odebrecht deveria ser banida do Brasil, e do mundo.
 
Anderson
Anderson - 16 de Julho às 17:57
Vejam só..a Republica Dominicana dando exemplo para nós coxinhas e petistas..exigindo medidas publicas robustas e eficazes contra a corrupção e prisão para os que acham que são donos do dinheiro publico.