SIGA O EM

Malásia oferece mil dólares ao melhor vídeo para 'evitar' a homossexualidade

Os vencedores do concurso receberão entre 1.000 e 4.000 ringgit (US$ 235 a 940)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1126580, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Reprodu\xe7\xe3o/Internet', 'link': '', 'legenda': ' A homossexualidade est\xe1 oficialmente proibida na Mal\xe1sia e pode ser punida com penas de pris\xe3o, multas e at\xe9 castigos corporais.', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/06/03/873909/20170603114726384183o.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 03/06/2017 11:10 / atualizado em 03/06/2017 11:51

AFP /Agence France-Presse

Reprodução/Internet
O governo da Malásia criou um concurso de vídeos sobre "práticas de vida saudável" que oferece até mil dólares para quem explicar como "evitar" a homossexualidade, de acordo com o site do ministério da Saúde. "Os vídeos têm que prevenir a homossexualidade, controlá-la e obter ajuda", além de explicar "seus problemas e consequências" do que o concurso chama de "confusão de gêneros", afirma o site.

Os ativistas que defendem os direitos dos homossexuais condenaram de maneira imediata a iniciativa, em um país de maioria muçulmana, mas conhecido por sua moderação e tolerância. A homossexualidade está oficialmente proibida na Malásia e pode ser punida com penas de prisão, multas e até castigos corporais.

Os vencedores do concurso receberão entre 1.000 e 4.000 ringgit (US$ 235 a 940). O prazo vai até o fim de agosto, segundo o site do ministério. "Cada trabalho será julgado em função de sua originalidade, conteúdo, criatividade e qualidade de produção por um painel de juízes nomeados pelos organizadores", segundo o ministério.

O vice-ministro da Saúde da Malásia, Lokman Hakim Sulaiman, afirmou em um comunicado que o concurso "nunca tentou discriminar algum grupo específico" e que trata-se "apenas de estimular o conhecimento e a criatividade dos adolescentes sobre temas sexuais, de reprodução e saúde". Nisha Ayub, a ativista LGBT mais conhecida da Malásia, condenou o concurso e afirmou que as autoridades da área da saúde iniciaram uma campanha de "ódio e discriminação" contra a comunidade.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Fernando
Fernando - 03 de Junho às 23:36
Importante incentivar comportamentos mais decentes! No caso do Brasil, devemos ir além! Comportamento digno nas filas, nos trânsito, no trabalho e principalmente, na política!
 
Jorge
Jorge - 03 de Junho às 21:02
Que tal um vídeo mostrando o RJ e no lugar do Cristo redentor uma estátua do Clovis Bornay com uma enorme tarja de advertência constando a frase: 'Não queremos virar isso'
 
nen
nen - 03 de Junho às 13:49
Mexendo em caixa de moribondos. Quem nunca teve tendencia ou ideia, vai querer provar para ver como funciona. Se estao proibindo e falando tanto, por que tem muito nego interessado. Fazer.
 
Eduardo
Eduardo - 03 de Junho às 13:43
É de leis como estas que precisamos pra acabar com a promiscuidade que se instalou por aqui.