SIGA O EM

Mercosul suspende Venezuela por descumprir acordos

A informação é de uma fonte brasileira. Governo venezuelano será notificado nesta sexta-feira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1089861, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'AFP / JUAN BARRETO ', 'link': '', 'legenda': 'O presidente cubano Ra\xfal Castro levanta a m\xe3o do presidente venezuelano, Nicol\xe1s Maduro, na Pra\xe7a da Revolu\xe7\xe3o, em Havana, em homenagem a Fidel Castro na \xfaltima ter\xe7a-feira', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/12/02/829307/20161202074424597913o.jpeg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 02/12/2016 00:10 / atualizado em 02/12/2016 07:54

AFP /Agence France-Presse

AFP / JUAN BARRETO

Os quatro países fundadores do Mercosul - Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai - enviaram uma "comunicação" à Venezuela, indicando que os direitos do país no bloco "estão suspensos" - disse uma fonte do governo brasileiro à AFP nesta quinta-feira (1º).


A decisão está ligada ao vencimento do último prazo acordado em setembro para que Caracas cumprisse suas obrigações de adesão ao Mercosul, acrescentou a fonte, que pediu pra ter sua identidade preservada.


Os chanceleres "elaboraram informes, nos quais ressaltam que a Venezuela não cumpriu o acordado" e, em consequência, "enviaram-lhe uma comunicação notificando-a de que seus direitos estão suspensos", acrescentou.


Segundo a mesma fonte, a informação não foi tornada pública, porque, provavelmente, "ainda não foi recebida" de forma oficial em Caracas.


A marginalização da Venezuela se desenhava desde que os demais sócios bloquearam, em julho passado, o acesso do país caribenho à presidência semestral do bloco.


Em setembro, os quatro países fundadores decidiram ocupar o posto de forma colegiada e intimaram o governo de Nicolás Maduro a adotar até 1º de dezembro todos os compromissos de adesão. Entre eles, a livre-circulação de mercadorias entre os países-membros e a cláusula democrática.


A suspensão "foi natural, se esperava", disse a fonte.


'Não saímos, nem vão nos tirar'


Na última terça (29), a Venezuela se declarou disposta a aderir a um dos acordos comerciais pendentes - aquele relacionado às tarifas comuns e à livre-circulação de bens.


"Finalizadas as revisões técnicas, a Venezuela se encontra em condições de aderir ao Acordo de Complementação Econômica", afirmou a chanceler Delcy Rodríguez, em uma carta dirigida a seus homólogos de Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.


Rodríguez ressaltou que, atendendo aos "princípios de gradualidade, flexibilidade e equilíbrio que regem seu processo de adequação ao Mercosul, (a Venezuela) está preparada para iniciar imediatamente o processo de adesão".


"Nem saímos, nem vão nos tirar do Mercosul", declarou Rodríguez na segunda-feira (28), dia em que insistiu na determinação de Caracas de permanecer no bloco.


"Fazemos um apelo aos povos das capitais do Mercosul para defenderem a Venezuela, porque isso é defender os maiores ideais de integração, união e cooperação", convocou a ministra das Relações Exteriores, em Caracas, nesse mesmo dia.


O Mercosul foi fundado em 1991 e aceitou a Venezuela como membro pleno em 2012.


As tensões entre o governo Maduro e seus sócios aumentaram desde a chegada ao poder de governos liberais de centro-direita na Argentina - onde Mauricio Macri ganhou as eleições no final de 2015 - e no Brasil, onde Michel Temer assumiu a presidência em maio passado, após o impeachment sofrido por Dilma Rousseff.


O Mercosul atravessa uma de suas piores crise, equiparável apenas àquela gerada pela suspensão do Paraguai em 2012, depois de um processo parlamentar que destituiu o presidente de esquerda Fernando Lugo.


Foi nesse período que Argentina, Brasil e Uruguai aprovaram o ingresso da Venezuela, que contava com a oposição de Assunção.



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600