SIGA O EM

Novo secretário do Comércio dos EUA é especialista em falências

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 30/11/2016 14:16

AFP /Agence France-Presse

O futuro secretário do Comércio dos Estados Unidos no governo de Donald Trump, Wilbur Ross, é um homem proveniente do mundo bancário e que se especializou em resgatar empresas em crise.

Nascido em Nova Jersey, em 28 de novembro de 1937, trabalhou para o banco Rothschild, convertendo-se em um especialistas em companhias com falência.

Dessa forma, ajudou Trump quando seus cassinos de Atlantic City estavam dando prejuízo no final dos anos 80.

No início da década de 2000, lançou seu próprio fundo de investimentos, o WL Ross & Co, e se dedicou a comprar siderúrgicas em dificuldades para vendê-las quando estavam recuperadas.

Nos anos seguintes, foi se interessando igualmente por companhias ligadas ao carvão, peças de automóveis e têxteis.

Sua fortuna foi avaliada pela revista Forbes em 3 bilhões de dólares e ele ocupa a posição 232 no ranking dos americanos mais ricos.

Em um acordo com as autoridades da bolsa, o fundo WL Ross teve de pagar 2,3 milhões de dólares em comissões a investidores de seus diferentes fundos.

Aluno das prestigiadas universidades de Yale e Harvard, há muito tempo era ligado ao Partido Democrata, mas mesmo assim aconselhou o ex-prefeito republicano de Nova York, Rudy Giuliani, em várias privatizações de serviços da cidade.

Somou-se às fileiras de Trump quando começou a campanha eleitoral.

Também tem interesses fora dos Estados Unidos. É membro do conselho do Banco do Chipre desde sua falência em 2013 e antes de ser auxiliado por um plano europeu no valor de 10 bilhões de dólares.

Casado três vezes, tem três filhos de seu primeiro matrimônio. Sua segunda esposa foi a ex-vice-governadora de Nova York, Betsy McCaughey.

A partir de janeiro, dirigirá o departamento do Comércio, que abarca essencialmente a política industrial americana.

Ele será o Representante Comercial dos Estados Unidos nas negociações comerciais internacionais.



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600