SIGA O EM

Cubanos exilados festejam morte de Fidel pela segunda noite em Miami

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 27/11/2016 16:10

AFP /Agence France-Presse

Cantando e dançando, os cubanos de Little Havana, em Miami, festejaram pela segunda noite consecutiva a morte de Fidel Castro, em frente ao emblemático Café Versalhes, que durante décadas foi o lugar de encontro dessa comunidade no exílio.

A festa começou à meia-noite de sexta-feira, prolongou-se durante todo o sábado e ainda continuava neste domingo de manhã, embora as ruas já tivessem sido abertas ao tráfego.

"Não me canso de comemorar, porque parece mentira. Nunca pensei que esse momento fosse chegar", comentou Delsy, que não quis dar seu sobrenome.

Um casal cantava "Guantanamera" com microfone e amplificador, enquanto outros marcavam o ritmo de "La vida es un carnaval" com panelas, e um grupo entoava "Fidel, tirano, leva o seu irmão!".

Fidel Castro morreu na noite de sexta-feira (25) em Havana, aos 90 anos, anunciou seu irmão Raúl, atual presidente cubano.

Quinze quarteirões mais ao leste, a boate de salsa Ball & Chain, um clássico entre os locais e parada obrigatória dos ônibus de turismo, oferecia descontos e promovia um novo coquetel: "Adeus Fidel".

O lugar estava abarrotado na noite de sábado. Repleta de bares e de restaurantes cubanos, a rua estava cheia de vida a altas horas da noite, "muito mais do que o normal", segundo a garçonete de um estabelecimento.

Em uma esquina próxima, em frente ao Parque Dominó, onde aposentados cubanos se reúnem todas as tardes para jogar, o futuro da Ilha era o principal tema de discussão.

"Agora, nós, cubanos, temos a esperança de que, sem Fidel, o comunismo dele vai cair e, se Deus quiser, poderemos voltar para o nosso país livre", comentou Vicente Abrez, de 65 anos.

A continuidade de Raúl Castro no poder não desanima os anticastristas que emigraram da ilha.

"Não acho que vai mudar muito, mas é uma luz no fim do túnel, é alguma coisa", disse Leticia Gallo, uma terapeuta de 44 anos que chegou a Miami há sete com um filho pequeno.

Rezando por Cuba

Na Ermita de la Caridad del Cobre, o santuário da padroeira de Cuba, o próprio arcebispo de Miami, Thomas Wenski, celebrou uma missa atipicamente cheia.

"Fidel Castro morreu. Agora lhe caberá o julgamento de Deus, que é misericordioso e também justo", disse o prelado.

"Que Santa Maria da Caridade escute o povo e adiante para Cuba a hora da reconciliação", acrescentou.

Os artistas cubanos também levantaram sua voz. O produtor musical Emilio Estefan, marido da estrela da salsa Gloria Estefan, exclamou: "Por Cuba, um novo amanhecer com um novo sol cheio de esperança".

O músico Willy Chirino participou da festa de Miami no sábado, e os músicos Arturo Sandoval, Paquito D'Rivera e Jon Secada cumprimentaram os exilados cubanos.

Castro "separou nosso povo e fez que nos odiássemos mutuamente", disse Sandoval.

Os políticos também deram seu apoio às comemorações do exilados.

O prefeito de Miami, Tomás Regalado, visitou a manifestação durante a tarde de sábado e justificou o fato de seus compatriotas mostrarem tanta alegria com uma morte.

"Nós, cubanos, temos o direito de comemorar esse dia", disse aos jornalistas, pedindo à comunidade latino-americana "que não critique os cubanos por comemorarem e que entendam o que isso significa".

Em um comunicado, o governador da Flórida, Rick Scott, disse que se unia "aos cubano-americanos de todo o país que estão incrivelmente esperançosos com o futuro de Cuba".

O senador pela Flórida Marco Rubio e Ileana Ros-Lehtinen, representante dos congressistas de origem cubana, conhecidos pelo seu anticastrismo implacável, compartilharam esta visão.

Depois de chamar Fidel de "ditador do mal, assassino" no sábado, Rubio disse hoje à rede CNN que é "patético" que o presidente Barack Obama não tenha mencionado as "milhares e milhares de pessoas que sofreram brutalmente no regime, ou que morreram tentando escapar dele".

Em sua página na Internet, a congressista Ileana Ros-Lehtinen, que representa a área do sul da Flórida onde muitos cubanos exilados vivem, celebrou a morte de Fidel.

"Um tirano está morto e um novo começo pode surgir no último bastião comunista remanescente do Hemisfério Ocidental", publicou.

Segundo o Pew Research Center, há dois milhões de cubanos nos Estados Unidos. Desse total, 68% vivem na Flórida, sendo a maioria em Miami.



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600