SIGA O EM

Exilada em Miami, Juanita Castro descarta ir ao enterro do irmão Fidel

"Quero esclarecer que, em nenhum momento, voltarei para a Ilha, nem tenho planos de fazê-lo", delcarou

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1088899, 'arquivo_grande': None, 'credito': 'REUTERS/Carlos Barria', 'link': '', 'legenda': 'Juanita durante o lan\xe7amento de seu livro "Fidel e Ra\xfal, meus irm\xe3os", em 2009', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/27/827593/20161127132131224063a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 27/11/2016 13:20

AFP /Agence France-Presse

REUTERS/Carlos Barria
Juanita Castro, a irmã de Fidel que vive no exílio em Miami desde os anos 1960, disse à imprensa local neste sábado (26/11) que não irá ao funeral do líder cubano, em Havana, embora lamente sua morte.

 

"Diante dos rumores pouco saudáveis de que me dirigia para Cuba para os funerais, quero esclarecer que, em nenhum momento, voltarei para a Ilha, nem tenho planos de fazê-lo", declarou Juanita ao jornal "El Nuevo Herald".


"Lutei ao lado desse exílio, braço com braço nas etapas mais ativas e intensas em décadas passadas, e respeito os sentimentos de cada um", insistiu a dissidente cubana.
Fidel Castro morreu na sexta-feira à noite, aos 90 anos, uma notícia que inundou de alegria os cubanos exilados em Miami.

"Não me regozijo da morte de nenhum ser humano, muito menos posso fazê-lo com alguém com meu sangue e meus sobrenomes", disse Juanita ao Herald.

"Como irmã de Fidel, estou vivendo, nesse momento, a perda de um ser humano que teve meu sangue", completou.

Fidel e o atual presidente, Raúl, foram dois de sete irmãos. Deles, Juanita, nascida em 1933, é a única a criticar publicamente o rumo comunista tomado pela Revolução Cubana.

Ela se exilou em Miami, em 1964, de onde denunciou publicamente o governo dos irmãos e colaborou com a CIA sob o nome-código de "Donna" nos planos para derrubá-lo, como ela mesma confessou depois.

Juanita Castro acrescentou que se exilou, assim como "todos os cubanos que saíram para encontrar um espaço onde lutar pela liberdade de seu país" e que, para isso, teve de pagar "um alto preço de dor e isolamento".

 



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600