SIGA O EM

Os pesos-pesados do poder em Cuba sem Fidel Castro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 27/11/2016 13:01

AFP /Agence France-Presse

A morte de Fidel Castro consolida o poder de seu irmão Raúl, que montou um Estado-maior integrado pela velha-guarda comunista e por veteranos chefes militares, embora tenha designado um homem mais jovem como seu eventual sucessor.

Estes são os pesos-pesados que cercam o presidente Raúl Castro:

- Miguel Díaz-Canel:

Engenheiro elétrico, desde fevereiro de 2013 é o sucessor designado por Raúl Castro na qualidade de primeiro vice-presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros. Ex-chefe provincial do Partido Comunista em Villa Clara e Holguín e ex-ministro da Educação Superior. Nasceu em 20 abril 1960.

- José Ramón Machado Ventura:

Médico e histórico dirigente, segundo-secretário do Partido e um dos vice-presidentes dos Conselhos de Estado e Ministros. Conhecido por sua postura linha-dura. Nasceu em 26 de outubro de 1930.

- Ramiro Valdés:

Comandante da Revolução, membro do bureau político e vice-presidente dos Conselhos de Estado e Ministros. Nasceu em 28 de abril de 1932.

- Bruno Rodríguez:

Membro do bureau político e chanceler quando Cuba restabeleceu as relações diplomáticas com os Estados Unidos. Também se aproximou da União Europeia. Nasceu em 22 janeiro de 1958.

- Esteban Lazo:

Economista. Presidente do Parlamento desde fevereiro de 2013. Membro do bureau político e do Secretariado do Partido Comunista, onde era encarregado do Departamento Ideológico. Vice-presidente do Conselho de Estado. Nasceu em 26 de fevereiro de 1944.

- Leopoldo Cintra:

Histórico dirigente. Ministro da Defesa e general do Corpo de Exército. Membro do bureau político e do Conselho de Estado. Nasceu em 17 de julho de 1941.

- Marino Murillo:

Economista. Ministro da Economia, membro do bureau político e do Conselho de Estado. Vice-presidente do Conselho de Ministros e supervisor-geral das reformas econômicas. Nasceu em 19 de fevereiro de 1961.



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600