SIGA O EM

Suspenso festival de música de US$ 2 milhões após morte de Fidel

O alto investimento no festival Suena Caracas gerou fortes críticas da oposição, em meio à crise econômica de Venezuela

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1088836, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Reprodu\xe7\xe3o/Twitter', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/11/26/827475/20161126184217968181i.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 26/11/2016 18:25 / atualizado em 26/11/2016 18:44

AFP /Agence France-Presse

Reprodução/Twitter

O chavismo suspendeu neste sábado o festival internacional de música Suena Caracas, como sinal de luto pela morte do líder cubano Fidel Castro, aos 90 anos.


"Sentimos um profundo compromisso com o povo irmão cubano, que se despede hoje de um dos maiores heróis latino-americanos do século 20 e do século 21 (...). Suena Caracas se une ao luto que invade o continente, suspendendo atividades", afirmou um comunicado.


O texto foi divulgado no Twitter por Jorge Rodríguez, o prefeito de Caracas, instituição organizadora do festival.


"Todas as homenagens ao maior americano do século 20", apontou Rodríguez.


Com um orçamento de US$ 2 milhões e a presença de cerca de 100 artistas nacionais e estrangeiros, Suena Caracas começou na sexta-feira e deveria terminar no próximo sábado.


O alto investimento gerou fortes críticas de dirigentes opositores, em meio à crise econômica de Venezuela, agravada desde 2014 pela queda dos preços do petróleo.


Os venezuelanos sofrem uma escassez aguda de alimentos e remédios, além de uma inflação que fechará o ano em 475%, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), e a falta de segurança.


Após a paralisação do festival, a prefeitura de Caracas explicou que está "reprogramando junto com os artistas a edição de 2016".


"Mas nunca o suspenderiam pelos milhares de venezuelanos que passam fome, que não têm remédios e os que morrem pela violência", disse no Twitter o ex-candidato presidencial opositor Henrique Capriles.



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600