SIGA O EM

Colômbia: ex-chefe de Inteligência condenado por morte de ex-presidenciável

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 24/11/2016 20:31

AFP /Agence France-Presse

Um ex-chefe de Inteligência da Colômbia foi condenado a 30 anos de prisão pelo homicídio do candidato presidencial Luis Carlos Galán e outras duas pessoas em 1989, quando o político era um alvo disputado dos cartéis do narcotráfico locais.

O general reformado Miguel Maza Márquez, detido desde o fim de 2013, foi declarado "coautor responsável dos crimes de associação criminosa e homicídio com fins terroristas" e condenado a 30 anos de prisão pela morte de Galán, do vereador Julio César Peñaloza e do segurança Santiago Cuervo, informou a Corte Suprema de Justiça em um comunicado.

A decisão foi tomada de forma "unânime" pela Sala Penal da alta corte, que se pronunciou em um processo aberto contra Maza Márquez pelos homicídios de Galán, Peñaloza e Cuervo, e ferimentos em outro segurança, Pedro Nel Angulo, em 18 de agosto de 1989, durante um comício do candidato, nos arredores de Bogotá.

"A Corte Suprema de Justiça determinou que o então diretor do DAS (Departamento Administrativo de Segurança) participou do plano para assassinar o notável dirigente político, debilitando sua segurança, para a qual nomeou como chefe de segurança um homem de sua confiança", destacou o texto.

Galán, um político liberal carismático e popular, favorito a vencer as eleições presidenciais de 1990, morreu vítima de disparos de pistoleiros durante um comício em 1989, após sofrer várias ameaças.

Pelo crime contra a humanidade já tinham sido condenados o pistoleiro John Jairo Velázquez, conhecido como Popeye, membro do Cartel de Medellín e homem de confiança do traficante Pablo Escobar, e o ex-senador liberal e ex-ministro da Justiça Alberto Santofimio, adversário político de Galán.



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600