SIGA O EM

Forte aumento no número de vítimas por minas em 2015

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]

postado em 22/11/2016 15:31

AFP /Agence France-Presse

O número de pessoas que ficaram feridas ou morreram por minas aumentou 75% em 2015, em relação ao ano anterior, um aumento que não se via desde 2006, em particular pelos conflitos na Líbia, Síria, Ucrânia e Iêmen.

Segundo um estudo recente do Observatório de Minas, as minas e artefatos similares provocaram 6.461 vítimas em 2015, das quais ao menos 1.672 morreram.

"O fato de constatarmos que a quantidade de novas vítimas por minas ou munições não utilizadas é a mais elevada da década (...) prova, mais uma vez, que esta arma que atinge cegamente não deve nunca mais ser utilizada por ninguém", declarou Loren Persi, do Observatório.

O aumento das vítimas deve-se, principalmente, aos conflitos em quatro países em 2015: Líbia (1.004 vítimas), Iêmen (988), Síria (864) e Ucrânia (589), segundo esta fonte. A lista é liderada pelo Afeganistão, com 1.310 vítimas.

Os meninos, e sobretudo os homens, representam 38% das vítimas. Comparando com outros períodos, pode-se dizer que há uma certa melhora, já que em 2013 representavam 46% do total.

O número de vítimas por artefatos explosivos improvisados bateu o recorde, 1.331 pessoas, um aumento de 24% em 2015.

O Observatório reconhece que o crescimento do número de vítimas é explicado também pela melhora na capacidade de quantificá-las, principalmente na Síria e na Líbia, apesar de esses números serem subestimados.

O Observatório de Minas é o órgão de busca da Campanha Internacional para Proibir as Minas (ICBL), uma rede que reúne uma centena de ONGs.

A convenção sobre a proibição de minas antipessoais, que entrou em vigor em 1999, reúne 162 países signatários.

Atualmente, 11 Estados são considerados produtores potenciais de minas antipessoais, mas só quatro deles produzem ativamente: Coreia do Sul, Índia, Mianmar e Paquistão.

Há também três países que desenvolveram novas minas, e que não assinaram o tratado, segundo este estudo: Mianmar, Coreia do Norte e Síria.

Os Estados se fixaram no objetivo de eliminar totalmente as minas do planeta antes de 2025, ainda que a ajuda internacional para a remoção desses artefatos tenha diminuído, pela primeira vez desde 2005, para menos de 400 milhões de dólares em 2015.



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600