14°/ 31°
Belo Horizonte,
02/SET/2014
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Pistorius se declara inocente em início de julgamento por morte da namorada O julgamento durará três semanas e será televisionado

AFP - Agence France-Presse

Publicação: 03/03/2014 09:00 Atualização: 03/03/2014 09:13

June Steenkamp, mãe de Reeva Steenkamp, enxuga os olhos durante a abertura do julgamento na África do Sul  (THEMBA HADEBE / POOL / AFP)
June Steenkamp, mãe de Reeva Steenkamp, enxuga os olhos durante a abertura do julgamento na África do Sul

O campeão paralímpico sul-africano Oscar Pistorius se declarou nesta segunda-feira "não culpado" do assassinato de sua namorada Reeva Steenlamp em fevereiro de 2013, no início de seu julgamento em Pretória.

No começo do julgamento, que durará cerca de três semanas e que será transmitido pela televisão, o promotor Gerrie Nel acusou o atleta de "matar intencionalmente e ilicitamente" a namorada no Dia dos Namorados do ano passado.

Ao ser perguntado pela juíza Thokozile Massina como se considerava, Pistorius respondeu: "não culpado, senhora".

Também disse não ser culpado de outras acusações contra ele, como posse e uso de armas ilegais.

Vestido com um terno preto, gravata preta e camisa branca, Pistorius parecia nervoso ao entrar cabisbaixo na sala onde a audiência seria realizada.

Aos 27 anos, corre o risco de ser condenado a 25 anos de prisão se for considerado culpado de assassinato.

Pistorius alcançou a fama ao se converter no primeiro atleta amputado nas duas pernas a competir em Jogos Olímpicos, em Londres em 2012.

Menos de um ano depois, no dia 14 de fevereiro de 2013, às 03h00 locais, matou a namorada, Reeva Steenkamp, uma modelo de 29 anos bastante conhecida na África do Sul, em sua casa na periferia de Pretória, com quatro tiros disparados através da porta do banheiro.

Este fã das armas de fogo, chamado de paranoico pelos meios de comunicação, argumenta que foi um acidente e explica que confundiu sua companheira com um ladrão escondido no banheiro. A promotoria considera, por sua vez, que se tratou de um assassinato premeditado.

O julgamento deve durar três semanas e dar lugar a uma batalha de especialistas, já que a família de Pistorius contratou os melhores advogados.

Na manhã desta segunda-feira, a imprensa sul-africana publicava declarações da mãe de Reeva, June Steenkamp: "Quero olhar Oscar nos olhos, e descobrir eu mesma a verdade do que fez com Reeva".

Centenas de jornalistas sul-africanos e estrangeiros estão presentes em Pretória para cobrir as audiências, que, em sua maior parte, podem ser transmitidas ao vivo por televisão e rádio. Para o processo foi criada inclusive uma rede especial.

Os peritos, fundamentais
Até o dia 20 de março, o tribunal deverá esclarecer a questão fundamental sobre se o atleta assassinou a namorada a sangue frio, como sustenta a promotoria, ou se disparou ao tê-la confundido com um intruso, como afirma a defesa.

O drama ocorreu sem testemunhas, na luxuosa residência de Pistorius, em um complexo de alta segurança de Pretória cercado por muros e vigiado por guardas.

Pistorius afirma que estava na varanda de seu quarto quando ouviu um ruído no banheiro. Então, segundo ele, pensou que um ladrão havia entrado pela janela do banheiro e, em pânico, disparou sem pensar duas vezes, sem verificar se Reeva continuava na cama.

Também em sua defesa, o atleta disse há um ano em uma audiência preliminar que seu relacionamento com Reeva Steenkamp era excelente e que estavam muito apaixonados.

O promotor, Gerrie Nel, tentará demonstrar que esta alegação não é verdadeira, e que o atleta paralímpico disparou quatro tiros contra a namorada a sangue frio através da porta do banheiro.

Durante as quase três semanas do processo, os especialistas - em balística, forenses e científicos - terão um papel muito importante. Eles ditarão se Reeva Steenkamp morreu ao ser baleada pela primeira vez, o que teria impedido que alertasse para sua presença no banheiro.

Também deverão esclarecer o ângulo do tiro e, portanto, a posição de Pistorius, além de divulgar dados dos telefones celulares dos dois protagonistas. Também se espera que revelem a que horas e em que sites da internet Pistorius entrou na noite da tragédia.

Uma equipe de investigadores sul-africanos viajou aos Estados Unidos para pedir ajuda da empresa Apple e do FBI para descriptografar as informações ocultas do iPhone de Pistorius. O atleta, logo depois do incidente, disse que havia esquecido a senha de acesso de seu telefone.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.