Publicidade

Estado de Minas

Pai de adolescente que morreu atingido por tiro acidental faz apelo pelo desarmamento

Disparo ocorreu quando um amigo da vítima manuseava um revólver de seu pai, um juiz aposentado. Os dois rapazes, de 15 anos, estavam sozinhos em casa quando ocorreu o incidente


postado em 28/08/2017 21:48 / atualizado em 28/08/2017 22:44

A Polícia Civil está apurando as circunstâncias da morte de um adolescente, de 15 anos, que foi baleado na cabeça no fim da tarde do sábado, em um imóvel no Bairro Xangri-lá, em Contagem, na Grande BH. O disparo, acidental, partiu de um amigo de infância, com a mesma idade. A arma, um revólver calibre 22, pertence a um juiz aposentado, pai do menor que atirou. Já o pai do garoto que morreu, empresário, afirmou que acredita em acidente.

“Não vamos pensar numa investigação para incriminar um menino que não quis causar o óbito do meu filho. Eles eram amigos e costumavam passar o fim de semana juntos, um na casa do outro. Que a apuração possa apontar para o risco de manter arma de fogo em casa. Que possa servir de alerta, pois não há mais o que ser feito”, pontuou, consternado.

O empresário disse que os pais do colega de seu filho estavam viajando no fim de semana. E, como de costume, os dois amigos passariam o sábado e domingo na casa do juiz aposentado.

“O pai me contou que o revólver estava sobre um armário com quase três metros de alturas. Mas nas imagens das redes sociais, o amigo do meu filho aparece segurando a arma, se exibindo. Coisa de adolescente. Penso que pode ter ocorrido uma brincadeira entre os dois e, então, ocorreu o disparo acidental. Estamos todos sofrendo. O colega do meu filho está em estado de choque e os pais dele estão sob cuidados médicos. O que fica é mesmo esse alerta pelo desarmamento”, ressaltou, abalado.

O adolescente foi baleado cerca de 10 minutos depois que chegou à casa de seu colega. O que disparou acidentalmente ligou para a polícia e pediu socorro. O garoto ferido foi levado inconsciente para o Hospital Municipal de Contagem. Em coma, ele teve morte cerebral confirmada na madrugada do domingo e a família decidiu doar os órgãos. Ele será enterrado nesta terça-feira no Cemitério Terra Santa, em Sabará. A escola em que estudava, na Região da Pampulha, suspendeu as aulas, para que os colegas possam ir ao enterro. 

 

RB 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade