Publicidade

Estado de Minas

Motorista que causou acidente no Anel não era habilitado para conduzir caminhão

Engavetamento, ocorrido no começo da noite no km 538, deixou um morto e quatro feridos. Passageiro do veículo de carga disse que condutor gritou que estava sem freio antes de bater e morrer


postado em 18/08/2017 23:44 / atualizado em 19/08/2017 00:26

Ver galeria . 6 Fotos Marcos Vieira/EM/DA Press
(foto: Marcos Vieira/EM/DA Press )

O motorista do caminhão, identificado como Júlio César Pereira de Faria, de 38 anos,  que provocou um engavetamento na noite desta sexta-feira no Anel Rodoviário de Belo Horizonte não tinha carteira de habitação da categoria adequada para o veículo do porte que conduzia. A informação é do tenente Geraldo Donizete, coordenador de turno da Polícia Militar Rodoviária, que disse que o caminhoneiro era habilitado na categoria B, que permite a condução de veículos de carga com capacidade máxima de 3,5 toneladas.

O engavetamento por volta da 18h30, no km 538 do Anel, sentido BH/Vitória, deixou um morto e quatro feridos. O motorista do caminhão teve morte instantânea, depois de bater violentamente na traseira de uma carreta bitrem. Na sequência, desgovernado, o veículo atingiu outros veículos até parar na traseira de uma carreta-baú.

De acordo com o cabo Caio Guimarães, da PMRv, no total foram envolvidos 15 veículos, sendo o caminhão, a bitrem, a carreta-baú, 10 carros e duas motocicletas. Entre os feridos estava um adolescente de 17 anos, resgatado das ferragens do veículo que causou o acidente, carregado com galões e fardos de garrafas de água mineral. Os outros três feridos, entre eles uma grávida, sofreram lesões leves.

A médica Iandra Martins, de 32, que teve seu carro também atingido no acidente, prestou os primeiros cuidados ao garoto. Segundo ela, ele falou que seu tio, condutor do caminhão, gritou que o veículo de cargas perdeu o freio.

O local do engavetamento é o mesmo onde há pouco mais de quatro meses ocorreu acidente semelhante, com seis feridos e oito veículos, dois deles de carga. O condutor da bitrem, Sidney José Moreira, de 32, contou que não percebeu a aproximação do caminhão desgovernado. “Só senti o forte impacto. O trânsito estava lento, como é normal em horário de pico, devido ao afunilamento da via, mas não chegou a parar. Depois da batida, meu veículo ainda foi arrastado por mais de 50 metros e fui parar na pista da esquerda”.

O proprietário da bitrem, o empresário José Maurício Oliveira, de 50, disse que diante do risco de acidentes no trecho, por volta das 17h, pediu que seu motorista ficasse parado no posto da polícia, até que diminuísse o fluxo de veículos na área. “Depois de uma hora parado, recomendei que viesse com todo cuidado. Mas a medida de segurança, que temos adotado diariamente, hoje (ontem) não foi suficiente para evitar esse acidente. Mas, apesar do prejuízo material, penso que se meu veículo não estivesse ali, para segurar o caminhão, teríamos uma tragédia de grande proporções”.

As pistas do Anel Rodoviário, sentido BH/Vitória ficaram fechadas por quase cinco horas. O corpo do caminhoneiro, que vinha de Conselheiro Lafaiete com destino a Lagoa Santa só foi retirado depois de concluída a perícia do Instituto de Criminalística. O desvio do tráfego para pista lateral minimizou a retenção na rodovia.

 

(RG)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade