SIGA O EM

População se revolta após menino de 12 anos confessar assassinato em Tiradentes

Gisele Lúcia Campos, de 16 anos, morreu no início deste mês. Com reviravolta, suspeito que estava preso, de 26 anos, foi libertado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1135767, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Facebook.com/Reprodu\xe7\xe3o da internet', 'link': '', 'legenda': 'Gisele L\xfacia Campos, de 16 anos, foi estrangulada e morta no dia 3', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/07/17/884342/20170717074411359507e.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 17/07/2017 06:00 / atualizado em 17/07/2017 07:45

Mateus Parreiras

Facebook.com/Reprodução da internet
A revolta da pequena comunidade de Elvas, distrito de São João del-Rei, nos Campos das Vertentes, não reduziu após um adolescente de 12 anos ter confessado o assassinato da estudante Gisele Lúcia Campos, de 16, em 3 de julho. A confissão foi revelada na tarde de sábado pelo juiz do caso, Ernane Barbosa Neves, em entrevista a um programa da Rádio Vertentes, de São João del-Rei. Com essa reviravolta, o suspeito que estava preso, Abrahão do Carmo Prado, de 26, foi libertado. O clima ainda está tenso na comunidade que se estende ao longo da BR-265, porque os dois suspeitos ainda estão livres. Segundo relato de moradores, nenhum deles tem sido visto em suas residências, mas parentes dos suspeitos relataram a vizinhos que sentem esse clima de hostilidade e por isso temem represália.

A família da adolescente morta é de origem humilde e vive na zona rural. Ela era a única filha e tinha três irmãos, todos trabalhadores da região. O pai da estudante é lavrador e sustenta a família com serviços nas propriedades rurais região, de acordo com informações de pessoas da comunidade. A Polícia Civil informou que só poderia se manifestar sobre o caso hoje, uma vez que a delegacia de São João del-Rei funciona em esquema de plantão nos fins de semana. Em Tiradentes, o caso também repercute trazendo indignação.

No dia 7, Abrahão foi detido pela polícia como suspeito de ter cometido o crime. Segundo o juiz Ernane Barbosa Neves, o homem manteve silêncio durante depoimento, sendo que foi justamente o depoimento do adolescente de 12 anos, que afirmou que Abrahão tinha matado Gisele porque gostava dela, mas não era correspondido, o principal fator para o pedido de prisão no início do mês.

A jovem foi morta pouco depois de descer do ônibus escolar. Ela foi estrangulada com uma corda e seu corpo atirado em uma vala da via rural. Mas, com o andamento das investigações, o adolescente mudou a sua versão, dizendo que teria sido ele quem matou Gisele por não ser correspondido afetivamente. O juiz afirma que esse depoimento não pôs, ainda, fim ao caso e que as investigações continuarão.

REPRESÁLIA Uma vizinha de um dos acusados, que pediu para não ser identificada, conta que o suspeito não tem sido visto em casa por medo de ser atacado. “O pessoal aqui está muito revoltado, muito nervoso. Foi uma covardia o que fizeram com a menina e muita gente diz que isso não vai ficar assim, que quer Justiça”, disse a mulher. Outro morador do distrito, o comerciante Moisés Nascimento, de 43 anos, conta que a rotina de Elvas foi abalada depois do crime. “Aqui é uma zona rural, um lugar muito tranquilo. O clima ficou pesado, muito tenso. Porque todos se conheciam, eram frequentadores da mesma escola, das casas dos familiares e dos jogos de futebol, das festas de aniversário”, comenta.

De acordo com ele, a vítima seria colega de escola do seu filho e o rapaz também está consternado. “O que deixa as pessoas mais indignadas é que temos duas pessoas soltas, mas o caso é muito nebuloso. Não sabemos se o menor confessou como estratégia de advogado para livrar o outro nem mesmo se há um terceiro envolvido. Isso tudo a gente tem visto deixar a tensão alta aqui pelos comentários que escutamos”, conta.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Andre
Andre - 17 de Julho às 16:43
Na dúvida matem os 2.
 
alisson
alisson - 17 de Julho às 16:26
Só não defendem a pena de morte, aqueles que nunca perderam um ente querido assassinado pela bandidagem que toma conta desse país!
 
Lázaro
Lázaro - 17 de Julho às 14:56
O melhor é prender os dois, pois tá quase certo que eles estão envolvidos nesse assassinato da adolescente.
 
Evandro
Evandro - 17 de Julho às 13:42
Meu Deus até quando teremos que aguentar estes coxinhas
 
Marcio
Marcio - 17 de Julho às 11:10
Não adianta ficar com esse zum zum zum... A lei é clara... Se vc tem 17 anos ou menos vc tem o DIREITO de cometer qualquer crime e ASSASSINAR qualquer pessoa. A lei é clara, é um direito constitucional e não pode ser tirado!
 
Thiago
Thiago - 17 de Julho às 10:17
Ignorância é votar em Dilma e Lula! Eu diria que é estupidez!
 
sergio
sergio - 17 de Julho às 14:26
Mandou super bem Thiago, não se importe com os comentários dos alienados comedores de pão com mortadelas, eles não sabem se quer diferenciar o sal do açúcar.
 
Druso
Druso - 17 de Julho às 13:17
Thiago, perdeu uma boa oportunidade de ficar calado.
 
Alcides
Alcides - 17 de Julho às 12:27
thiago, pra burro so te falta as penas
 
Roberto
Roberto - 17 de Julho às 11:47
Melhor é votar no Aécio, o pó e a corrupção vão rolar solto!
 
Edgar
Edgar - 17 de Julho às 08:57
Bolsonaro já, pena porte ao completar 18 anos
 
Alcides
Alcides - 17 de Julho às 12:28
Espero que o primeiro que ele mate seja voce sua besta
 
Thomaz
Thomaz - 17 de Julho às 09:40
pronto, deu início a sessão de ignorância...
 
sergio
sergio - 17 de Julho às 08:00
Mais do que desejar fazer justiça com as próprias mãos, o povo precisa cobrar dos nossos legisladores uma mobilização com o objetivo de mudar a lei de execuções penais e a lei processual penal, haja vista, que os defensores dos direitos humanos e os esquerdopatas insistem na tese de que todo assassino é vitima da sociedade, e isso tem que acabar, pois o cidadão de bem não pode pagar pela inoperância e pelo descaso dos nossos representantes, portanto, precisamos ir para as ruas, cobrar uma MUDANÇA JÁ"! E não ficar defendendo governo ex-presidentes corruptos que afundaram essa nação.