SIGA O EM

Prefeitura de BH termina obra de drenagem do Córrego Ressaca

Após quatro anos sem entregar grandes obras de combate a enchentes, BH conclui tratamento do Ressaca, mas novos projetos têm problemas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1117985, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Beto Novaes/EM/DA Press', 'link': '', 'legenda': 'Uma das interven\xe7\xf5es em c\xf3rregos da Regi\xe3o da Pampulha consiste em alargamento de canal, aumentando a capacidade de escoamento', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/04/21/863905/20170421074055242952u.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 21/04/2017 06:00 / atualizado em 21/04/2017 07:42

Valquiria Lopes

Beto Novaes/EM/DA Press

Depois de pelo menos quatro anos sem a inauguração de grandes obras de drenagem em Belo Horizonte, uma promessa de fim dos transtornos e prejuízos causados pelas enchentes na região do Bairro Santa Terezinha, na Pampulha. Com investimento de R$ 68 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a Prefeitura de BH concluiu a obra de drenagem projetada para reduzir os riscos de alagamentos no entorno do Córrego Ressaca, na Avenida Heráclito Mourão de Miranda. A intervenção foi dividida em duas fases. A última consistiu na ampliação da capacidade de escoamento do canal, localizado em área de várzea (plana e inundável), onde há ocupação humana.


A última obra de maior porte desse tipo na cidade, de acordo com a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), foi entregue em janeiro de 2013, com a conclusão da primeira etapa das obras da Bacia do Córrego Santa Terezinha, no Bairro Taquaril, na Região Leste. O projeto previa tratamento do fundo de vale do curso d’água, abertura de via e construção de quatro edifícios habitacionais de 16 apartamentos cada. Foram investidos R$ 17,3 milhões. No ano passado, em maio, a Sudecap chegou a fazer a 1ª etapa de serviços no Córrego dos Pintos, na Avenida Francisco Sá, no Prado, na Região Oeste. Mas foi feita apenas a recuperação da galeria, ao custo de R$ 2,7 milhões.

A etapa agora concluída de obras do Córrego Ressaca teve início há dois anos, em abril de 2015. O projeto prevê ainda a melhoria da confluência do Córrego Ressaca com o Córrego Flor D’Água, na Avenida Presidente Tancredo Neves, além da substituição de duas pontes sobre o Ressaca, na interseção das avenidas Tancredo Neves e Santa Terezinha. O trânsito do local, que estava fechado para obras, já foi liberado.

Na primeira fase, concluída em 2012, foi feita a contenção de enchentes na Avenida Heráclito Mourão Miranda, com alteração do traçado do canal do Córrego Ressaca, entre a Rua Florença e a Lagoa da Pampulha, além da elevação da ponte do trecho. Também foram canalizados os córregos Ressaca e Sarandi até a represa.

ENTRAVES De acordo com a Sudecap, as alterações ampliaram a capacidade de escoamento e vão garantir a segurança de famílias em vias sujeitas a inundação. A prefeitura promete ainda entregar neste ano outras três intervenções de um pacote de cinco obras de drenagem em andamento na capital. Mas, pela programação apresentada pela Sudecap, os serviços enfrentam muitos problemas, como reprogramações, revisões de cronogramas e até mesmo paralisação por falta de recursos.

Ainda assim, a expectativa é de que neste semestre sejam concluídas a terceira etapa dos serviços no Complexo da Avenida Várzea da Palma e Vila do Índio (Venda Nova) e a segunda fase de obras da Bacia do Córrego Santa Terezinha (Taquaril). Já para o segundo semestre está prevista a entrega das obras no Córrego Bonsucesso (Barreiro), enquanto em 2018 há previsão de mais duas intervenções: para os primeiros seis meses está marcada a entrega dos serviços no Córrego São Francisco, na Avenida Assis das Chagas (Aeroporto Pampulha/Avenida Antônio Carlos) e até o fim do ano, as obras do Córrego Túnel/Camarões (Barreiro).

 

 

Obras em andamento

 

» Complexo da Avenida Várzea da Palma e Vila do Índio – 3ª etapa (Venda Nova)

Valor: R$ 198,2 milhões
Início: maio/2013
Previsão de término: 1º semestre /2017
Situação – Reprogramada devido a processos de desapropriações que atrasaram seu início, ocupações indevidas, revisão de projetos e interferências não previstas das redes de concessionárias.Processos licitatórios não têm data prevista, aguardando disponibilidade de recursos.

 

» Bacia do Córrego Santa Terezinha – 2ª etapa (Taquaril)

Valor previsto: R$ 2,82 milhões
Início: outubro de 2013
Previsão de Término: 1º semestre/2017
Valor total das duas etapas: –R$ 20,16 milhões
Situação – Reprogramada por necessidade de revisão de parte do projeto de urbanização do Beco Novo

 

» Bonsucesso (Barreiro)

Meta 1 – em andamento: Tratamento de Córrego de fundo de Vale
Valor da obra:
R$ 36,05 milhões – PAC 2
Previsão de término: 2º semestre/2017

 

» Córrego São Francisco (Av. Assis das Chagas – aeroporto Pampulha/Antônio Carlos)

Valor: R$ 21,18 milhões
Início 1º semestre /2014
Previsão de término: 1°semestre/ 2018
Situação – Paralisada desde abril/2016 por atrasos de repasse do governo federal

 

» Córrego Túnel / Camarões (Barreiro)

Valor: R$ 116,2 milhões - PAC 2
Início: 1° semestre de 2015
Previsão de Término: 2º semestre/2018
Situação – Cronograma revisto em função do andamento dos processos de desapropriação.
Obra retomada em abril/2017

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600