SIGA O EM

Governo libera construção de novo dique da Samarco em Bento Rodrigues, Mariana

Autorização foi publicada no diário oficial do estado nesta quarta-feira depois de aval de órgãos ambientais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1073953, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Leandro Couri/EM/DA Press - 30/03/2016', 'link': '', 'legenda': 'Vista de dique constru\xeddo acima do distrito de Bento Rodrigues', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/09/21/806338/20160921121509225652e.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}, {'id_foto': 1073954, 'arquivo_grande': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/09/21/806338/20160921155155322848i.jpg', 'credito': 'Samarco / Divulga\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': 'Clique na imagem para ampliar a ilustra\xe7\xe3o com um esbo\xe7o de como o dique vai atuar', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/09/21/806338/20160921155141806338o.jpg', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}]

postado em 21/09/2016 11:55 / atualizado em 21/09/2016 22:33

João Henrique do Vale

Leandro Couri/EM/DA Press - 30/03/2016
A obra tida como essencial pela Samarco para evitar carreamento de rejeitos de mineração da Barragem do Fundão e outros problemas no período chuvoso teve aval dos órgãos ambientais e foi autorizada pelo governo de Minas Gerais. Decreto publicado ontem no diário oficial do estado, o Minas Gerais, dá permissão para o início das obras do Dique S4, que alagará parte das ruínas de Bento Rodrigues, distrito de Mariana destruído pela lama que vazou da barragem quando ela se rompeu, em 5 de novembro, causando 19 mortes e poluindo rios.


Como o Estado de Minas mostrou na edição do dia 16, a autorização, chamada de requisição administrativa, dependia de um laudo técnico da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad). O estudo foi entregue e subsidiou o projeto de construção do dique, alvo de impasse entre as mineradoras donas da barragem e os ministérios públicos de Minas Gerais (MPMG) e Federal (MPF).

No decreto, o governo determina “a requisição administrativa, para a implantação do Dique S4, no terreno situado no município de Mariana, conforme descrição perimétrica”. Cita que a requisição do terreno “é necessária à efetivação de medidas urgentes para a construção e implantação do Dique S4”. “A Samarco Mineração S/A fica autorizada a promover todas as medidas necessárias à construção e implantação emergencial do Dique S4 no terreno descrito”, diz o documento.

O texto ressalta que as obras serão custeadas e efetuadas com recursos e pessoal próprios da empresa. Além disso, informa que os “proprietários das áreas deverão viabilizar a entrada da equipe técnica da Samarco Mineração S/A e dos agentes públicos estaduais no terreno”.

Outro ponto do decreto diz que as empresas Samarco, Vale e BHP Billinton serão responsáveis pelo custeio das indenizações e pelo ressarcimento ao Estado de “todo e qualquer custo decorrente da requisição administrativa" de que trata o decreto, conforme termo de ajustamento de conduta (TAC), celebrado em 20 de setembro de 2016”. O texto passa a valer a partir desta quarta-feira.

O termo citado no decreto foi assinado pela Samarco, as suas controladoras pela Vale e a BHP Billiton Brasil, o Estado de Minas Gerais, o Instituto Estadual de Florestas, o Instituto Mineiro de Gestão das Águas e a Fundação Estadual do Meio Ambiente com a chancela da Advocacia Geral do Estado.

A Samarco afirmou que a decisão de fazer a obra em Bento Rodrigues foi tomada “após uma ampla e profunda discussão e análises técnicas”. “Outros locais foram descartados sobretudo pelo caráter emergencial da obra e pela proximidade do período chuvoso. A construção em outra área exigiria um prazo maior de construção”, disse a empresa por meio de nota.

Os procuradores do Ministério Público Federal (MPF) informaram, por meio da assessoria de imprensa, que ainda estudam a construção do Dique S4 em Bento Rodrigues. Afirma que não vão comentar a decisão enquanto os trabalhos não forem concluídos.

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) ainda não está convencido da necessidade da construção do dique. “Nós temos enorme dúvida sobre a eficácia da medida. O MP não é contrário a nenhuma medida que traga segurança para a sociedade. Porém, esse sistema da Samarco é de incertezas”, afirmou o promotor Carlos Eduardo Ferreira Pinto, coordenador do Núcleo de Resolução de Conflitos Ambientais (NUCAM). Segundo o promotor, o MP vai analisar “com muito cuidado e serenidade a autorização para verificar se alguma medida será tomada”.

Samarco / Divulgação


O dique

Segundo a Samarco, o dique S4 integra o sistema emergencial de retenção de sedimentos composto pelos diques S1, S2 e S3, além das barragens Eixo 1 de Fundão e Nova Santarém. Ele será feito por um alteamento com pedras construído, em recuo já existente um pouco abaixo de Bento Rodrigues, e amplirá a chamada área de clareação dos rejeitos. Isso evitará, na avaliação da mineradora, que a poluição volte a atingir o Rio Gualaxo e, consequentemente, o Rio Doce.

O dique S4 será o segundo maior do complexo e terá capacidade de 1,05 milhão de metros cúbicos. Fica atrás apenas do dique S3, que tem capacidade de 2,1 milhões de metros cúbicos. O S1 e o S2 têm 15 mil e 45 mil metros cúbicos, respectivamente.

Com a construção do dique S4, parte da área impactada de Bento Rodrigues será alagada. A empresa garante que vai fazer obras que evitem danos no muro colonial que ainda existe no local e que foi até motivo para os moradores criarem um abaixo-assinado contra as obras no distrito. “O muro de pedras existente no distrito também será preservado por uma cobertura que será feita pela empresa. A ruína da Capela São Bento e o Cemitério não serão alagados”, afirmou a Samarco.

RB

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600