SIGA O EM

BH passa a contar com estação autônoma de reparos para bicicletas

Aparelho é de uso coletivo e funciona em fase de testes para colher sugestões. A intenção é instalar mais nove na capital até o fim do ano

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1068844, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS', 'link': '', 'legenda': 'Equipamento oferece ferramentas para pequenos reparos', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/08/31/799409/20160831110429584249a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}, {'id_foto': 1068845, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2016/08/31/799409/20160831111500231605u.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 31/08/2016 10:59 / atualizado em 31/08/2016 11:16

Guilherme Paranaiba

Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS
A primeira estação pública autônoma de reparo de bicicletas de Belo Horizonte já está funcionando na capital mineira. O equipamento foi instalado no entroncamento das avenidas Brasil, Carandaí e Bernardo Monteiro, local conhecido como Praça do Ciclista, no bairro Funcionários, Região Centro-Sul de BH.

A ação é uma iniciativa da BH em Ciclo e conta com o patrocínio do Banco Itaú e apoio para ainstalação da Prefeitura de Belo Horizonte. A estação conta com suporte para a bike, chave Allen, chave de boca ajustável, saca corrente e uma bomba de ar, que pode ser usada para inflar os pneus com os pés.

A intenção da BH em Ciclo é submeter o novo aparelho a uma fase de testes que vai durar 15 dias. O objetivo é receber críticas, sugestões e elogios nesse período que possam ajudar a aprimorar a estação e ampliar o serviço. A expectativa da BH em Ciclo é chegar a 10 estações de reparo instaladas em BH até o fim do ano.

"Essas estações são mais um passo na direção de valorizar e incentivar quem se desloca pela cidade de bicicleta. Elas vão ajudar muitos ciclistas que às vezes passam por emergências mecânicas", diz o integrante da BH em Ciclo, Carlos Edward Campos. Uma das principais preocupações dos idealizadores do projeto é o cuidado com os equipamentos, para que eles realmente se tornem um produto de uso coletivo.

Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Carlos
Carlos - 31 de Agosto às 11:50
Naõ vai dar certo. Vai ser roubado ou destruído rapidamente.
 
Marcos
Marcos - 01 de Setembro às 12:14
De fato os ladrões e vândalos de plantão agradecem mais esta chance de atuar. A propósito as "estações" de locação de bicicletas (patrocinadas por um banco) estão cada dia mais degradadas e, pelo que observo, abandonadas. Parece que as tais "bikes" estão sumindo... |MP|
 
Gaguigu
Gaguigu - 31 de Agosto às 11:25
Top. Vamos ver quanto tempo irá durar. Mas tenhamos fé. Parabéns pela ideia.